Pular para o conteúdo principal

EUA propõem ferramenta para evitar rastreamento de usuários na internet

DA EFE, EM WASHINGTON

Uma agência governamental dos Estados Unidos propôs nesta quarta-feira um plano para fornecer aos usuários na internet um mecanismo que proteja sua privacidade frente os programas de rastreamento que armazenam e vendem suas informações na rede.
A Comissão Federal de Comércio (FTC, por sua sigla em inglês), que se encarrega de proteger a privacidade dos consumidores nos EUA, publicou o relatório como um marco de recomendações ao governo, legisladores e empresas.
Acompanhe a Folha no Twitter
Conheça a página da Folha no Facebook
A proposta é apresentada em meio ao debate sobre a privacidade na internet nos EUA, que ressurgiu após vários erros nos sistemas de confidencialidade da web e de redes sociais como o Facebook.
Uma das maiores preocupações da FTC são os programas "invisíveis" que se instalam automaticamente em computadores com a entrada do usuário em um site e servem para rastrear suas ações e compartilhá-las entre empresas.
Os dados recopilados servem para projetar gostos, costumes e atitudes de usuários a uma escala global e tão extensa como é a internet, uma informação muito valiosa e utilizada por agências de publicidade.
A FTC conclui que as regulações das companhias sobre o tema "falharam à hora de fornecer uma proteção adequada e significativa" aos consumidores.
A resposta para a agência governamental é "privacidade por definição", um termo que utiliza para explicar como as companhias deveriam fornecer sistemas que protejam o usuário por obrigação.
Para isso, propõe uma ferramenta de "não rastreamento" ("Do Not Track") que as empresas deveriam implementar para que os consumidores escolham se podem guardar dados como suas buscas e navegação na web.
A armazenagem dessa informação deveria ser permitida apenas quando for necessária e eliminada de uma maneira regular, segundo o relatório, que foi apresentado um dia antes de a subcomissão da Câmara de Representantes de Comércio e Defesa do Consumidor tratar do mesmo assunto em uma audiência.
+ NOTÍCIAS EM TEC

Extraído do site: http://www1.folha.uol.com.br/tec/839731-eua-propoem-ferramenta-para-evitar-rastreamento-de-usuarios-na-internet.shtml

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Top 10 ameaças de segurança para 2011

Top 10 ameaças de segurança para 2011

 Dos dez principais ameaças de segurança para 2011, alguns deles até mesmo fazer o bem informado e técnicos mentes fracas nos joelhos. Já este ano, a ameaça número um foi identificado. Pela primeira vez na história da internet, os hackers podem comprar uma cópia registrada de um kit de Malware sofisticados para 99,00 dólares, mas mais sobre essa ameaça abaixo. Em nenhuma ordem particular, estes são os outros nove principais ameaças à segurança para 2011:
O Malware Toolkit: Este Kit Malware inclui todas as ferramentas necessárias para criar e atualizar o malware, bem como assumir o controle de um computador host, além de atualizações e-mail e suporte do produto. Por que isso é como a ameaça? Porque não são necessárias habilidades de codificação, os usuários simplesmente precisam dominar as opções do programa clicáveis e são apresentadas com uma web baseada em Linux exploit usando a mais recente tecnologia de botnets, pronto para implantar.
hacker…

Fraude migra de cartão para web

Pagamento: 'Internet banking' responde por 22% dos prejuízos com crimes eletrônicos
Adriana Cotias | De São Paulo "Prezado Cliente,
Por motivos de segurança comunicamos a todos os clientes que, visando barrar o constante aumento de fraudes A Central de Atendimento BB e no Internet Banking BB será obrigatório realizar o Recadastramento da senha de 4 Dígitos. Caso não efetue o recadastramento com urgência, o acesso via Caixas-Eletrônicos, Atendimento por Telefone e Internet-Banking será suspenso. Utilize o link abaixo para efetuar o Recadastramento. Lembre-se, a Caixa Econômica Federal não se responsabilizará por danos sofridos, caso o recadastramento não seja feito. Caixa.gov.br 2011 - Todos os direitos reservados." (sic). É neste mau português que mensagens falsas inundam a caixa postal eletrônica do consumidor brasileiro. Apesar do léxico torto e dos alertas constantes das instituições financeiras - e, neste caso, até da assinatura trocada -, a percepção dos executivos d…