Pular para o conteúdo principal

[Privacidade]


Objetivo é estender a lei que obriga operadoras a instalar escutas telefônicas mediante ordem judicial às mensagens enviadas pela rede.
O Escritório Geral de Investigação dos Estados Unidos, mais conhecido como FBI, está em tratativas com as maiores empresas da Internet no sentido de obter acesso mais fácil a dados confidenciais quando estes forem importantes para a solução de crimes. Robert S. Mueller III, diretor da entidade, iniciou sua viagem ao Vale do Silício na terça-feira (17/11) e deve se encontrar com os principais executivos da região.
“Eu posso confirmar que o diretor do FBI, Robert Mueller, visitará o Facebook durante a sua estadia no Vale do Silício”, admitiu Andrew Noyes, relações públicas da maior rede social do mundo. Outra que deverá ser ouvida é aGoogle, apesar de nenhum executivo da empresa ter se manifestado.
O objetivo da visita é negociar a expansão da Lei de Assistência das Comunicações às Aplicações da Justiça, criada em 1994. Com ela, tornou-se obrigatório que operadores tais como Verizon e AT&T estejam aptas a instalar escutas telefônicas em números de suas redes imediatamente após ordem judicial.
Agora, a intenção do FBI é fazer com que as companhias de Internet fiquem sujeitas à mesma lei. Elas teriam que desenvolver um sistema capaz de interceptar e desvendar mensagens criptografadas enviadas a partir de seus serviços. Mesmo os e-mails que usassem aplicações baseadas em outro país, ao tentarem chegar a algum destinatário americano, passariam por um servidor central, onde seriam investigadas.
Naturalmente, uma autorização da Justiça dos Estados Unidos seria necessária para que se iniciasse o monitoramento. O Departamento de Comércio, no entanto, questiona se tal medida não inibiria a inovação – sem contar que a tecnologia desenvolvida poderia ser copiada por regimes repressivos, que a usariam para identificar dissidentes políticos.
Segundo o jornal The New York Times, uma equipe do Governo Obama está trabalhando para que o projeto já seja votado pelo Congresso dos EUA no início de 2011.
Fonte: Redação do IDG Now!
Publicada em 17 de novembro de 2010 às 18h28
Acesse na íntegra: http://idgnow.uol.com.br/seguranca/2010/11/17/fbi-dialoga-com-google-e-facebook-sobre-formas-de-monitorar-a-internet/

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Top 10 ameaças de segurança para 2011

Top 10 ameaças de segurança para 2011

 Dos dez principais ameaças de segurança para 2011, alguns deles até mesmo fazer o bem informado e técnicos mentes fracas nos joelhos. Já este ano, a ameaça número um foi identificado. Pela primeira vez na história da internet, os hackers podem comprar uma cópia registrada de um kit de Malware sofisticados para 99,00 dólares, mas mais sobre essa ameaça abaixo. Em nenhuma ordem particular, estes são os outros nove principais ameaças à segurança para 2011:
O Malware Toolkit: Este Kit Malware inclui todas as ferramentas necessárias para criar e atualizar o malware, bem como assumir o controle de um computador host, além de atualizações e-mail e suporte do produto. Por que isso é como a ameaça? Porque não são necessárias habilidades de codificação, os usuários simplesmente precisam dominar as opções do programa clicáveis e são apresentadas com uma web baseada em Linux exploit usando a mais recente tecnologia de botnets, pronto para implantar.
hacker…

Saiba como o Egito se desligou da web, e o que é feito para furar bloqueio

Internet foi criada para sobreviver a ataque nuclear, mas pode ser 'fechada'.
País tem rede pequena e provedores cooperaram com governo. Altieres RohrEspecial para o G1 Alguns telefonemas. É o que especialistas apostam ter sido suficiente para derrubar a internet no Egito. O país tem poucas das chamadas redes autônomas (AS, na sigla em inglês), que são as pequenas redes que, quando conectadas entre si, formam a internet. Existem ainda menos provedores internacionais que conectam o país. Desconectar o Egito, portanto, não foi difícil.
O Egito possui cerca de 3500 redes, mas apenas seis provedores internacionais.
Os quatro maiores provedores do Egito foram os primeiros a parar suas atividades após o pedido do governo. Os demais acabaram recebendo o tráfego extra, mas logo se viram sobrecarregados e também sob pressão até que o último provedor, Noor, foi desligado nesta segunda-feira (31). O Noor ligava companhias ocidentais à internet e também a bolsa de valores do país, que agora…

Lançamento da coleção "Investigação Criminal Tecnológica"

O delegado de polícia Higor Vinicius Nogueira Jorge lançou a coleção "Investigação Criminal Tecnológica", dividida em dois volumes.

O volume 1 aborda alguns procedimentos práticos de investigação criminal tecnológica, incluindo aspectos essenciais sobre infiltração virtual de agentes na rede mundial de computadores, informações sobre Uber, WhatsApp, Facebook, Twitter, Netflix, PayPal, Ebay, OLX, bem como ferramentas para investigação em fontes abertas e modelos de requisição, auto de materialização de evidências eletrônicas, representação de afastamento de sigilo eletrônico e relatório de investigação. 
O volume 2 oferece informações sintéticas sobre inteligência de Estado e Segurança Pública, incluindo informações sobre a história da inteligência no Brasil e no mundo, conceitos relacionados com Inteligência, Contrainteligência, Elemento Operacional, Doutrina Nacional de Inteligência de Segurança Pública, Metodologia da Produção do Conhecimento e Análise de Vínculos, técnic…