Pular para o conteúdo principal

[Privacidade]


Objetivo é estender a lei que obriga operadoras a instalar escutas telefônicas mediante ordem judicial às mensagens enviadas pela rede.
O Escritório Geral de Investigação dos Estados Unidos, mais conhecido como FBI, está em tratativas com as maiores empresas da Internet no sentido de obter acesso mais fácil a dados confidenciais quando estes forem importantes para a solução de crimes. Robert S. Mueller III, diretor da entidade, iniciou sua viagem ao Vale do Silício na terça-feira (17/11) e deve se encontrar com os principais executivos da região.
“Eu posso confirmar que o diretor do FBI, Robert Mueller, visitará o Facebook durante a sua estadia no Vale do Silício”, admitiu Andrew Noyes, relações públicas da maior rede social do mundo. Outra que deverá ser ouvida é aGoogle, apesar de nenhum executivo da empresa ter se manifestado.
O objetivo da visita é negociar a expansão da Lei de Assistência das Comunicações às Aplicações da Justiça, criada em 1994. Com ela, tornou-se obrigatório que operadores tais como Verizon e AT&T estejam aptas a instalar escutas telefônicas em números de suas redes imediatamente após ordem judicial.
Agora, a intenção do FBI é fazer com que as companhias de Internet fiquem sujeitas à mesma lei. Elas teriam que desenvolver um sistema capaz de interceptar e desvendar mensagens criptografadas enviadas a partir de seus serviços. Mesmo os e-mails que usassem aplicações baseadas em outro país, ao tentarem chegar a algum destinatário americano, passariam por um servidor central, onde seriam investigadas.
Naturalmente, uma autorização da Justiça dos Estados Unidos seria necessária para que se iniciasse o monitoramento. O Departamento de Comércio, no entanto, questiona se tal medida não inibiria a inovação – sem contar que a tecnologia desenvolvida poderia ser copiada por regimes repressivos, que a usariam para identificar dissidentes políticos.
Segundo o jornal The New York Times, uma equipe do Governo Obama está trabalhando para que o projeto já seja votado pelo Congresso dos EUA no início de 2011.
Fonte: Redação do IDG Now!
Publicada em 17 de novembro de 2010 às 18h28
Acesse na íntegra: http://idgnow.uol.com.br/seguranca/2010/11/17/fbi-dialoga-com-google-e-facebook-sobre-formas-de-monitorar-a-internet/

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Palavra de Especialista com Delegado Higor Jorge

Hoje, às 19:00, no programa de estreia "Palavra de Especialista", o diretor da ADPESP Rodrigo Lacordia recebe o delegado de Polícia, professor e palestrante Dr. Higor Vinícius Nogueira Jorge para um bate-papo sobre crimes cibernéticos, além de dicas e informações sobre direito e tecnologia. Assistam a entrevista em: https://youtu.be/p9FF98siWvg e também no Spotify.

Obra com comentários sobre mais de 70 leis criminais tem valor promocional para associados ADPESP - Associação dos Delegados de Polícia do Estado de São Paulo

  A editora Juspodivm lançou a obra “Legislação Criminal Especial Comentada” elaborada por 24 delegados de polícia de todo o país, sendo 14 do estado de São Paulo. A coordenação é dos delegados Higor Vinicius Nogueira Jorge, de São Paulo, Joaquim Leitão Júnior, de Mato Grosso e William Garcez, do Rio Grande do Sul. O livro oferece comentários doutrinários e jurisprudenciais de forma objetiva, sobre mais de 70 leis criminais. Associados ADPESP podem comprar o lançamento com valor especial,  direto no site da editora Juspodivm. O cupom é válido até as 23:59 do dia 21 de maio . Para aproveitar o desconto, utilize o cupom ADPESP. A obra tem chamado a atenção do meio jurídico, sendo escrita pelos seguintes delegados e delegadas de polícia: – Antônio Flávio Rocha Freire – Bruno Fontenele Cabral – Everson Aparecido Contelli – Gabriela Madrid Aquino – Higor Vinicius Nogueira Jorge – Jakelline Costa Barros dos Santos – Joaquim Leitão Júnior – João Paulo Firpo Fontes – Joerberth Pinto Nunes – Kl

Publicado o livro “Direito Penal sob a perspectiva da investigação criminal tecnológica”

POR QUE COMPRAR O LIVRO: DIREITO PENAL SOB A PERSPECTIVA DA INVESTIGAÇÃO CRIMINAL TECNOLÓGICA? O mundo fenomênico sofre, constantemente, influência da tecnologia em sua evolução e no seu aperfeiçoamento. Logo, esse fenômeno repercute, também, no âmbito criminal, visto que os delitos atuais contam com um componente que evolui a cada minuto, qual seja, o tecnológico (informático, inclusive). Assim, os conceitos de vestígio e o de corpo de delito ampliaram-se. Tal fato exige dos investigadores preparação e atualização constantes, visto que o criminoso, no atual estágio, pode voltar ao local do crime até mesmo virtualmente para prejudicar a obtenção de sinais que, em geral, não são mais observáveis de plano ou percebidos materialmente, no sentido tradicional. Trata-se de um desafio e a forma de enfrentá-lo tem na capacitação o suporte necessário. Para tanto, a presente obra, coordenada pelo jovem e competente Delegado de Polícia Higor Vinicius Nogueira Jorge, viabiliza a obte