Pular para o conteúdo principal

Conferência hacker BlackHat inclui ciberataques em seu programa

seguranca

Por IDG News / EUA

Publicada em 19 de janeiro de 2011 às 10h00
Recente ataque do worm Stuxnet contra o Irã tornou público o poder das armas cibernéticas; evento de segurança acontece neste mês nos EUA.
A habilidade do worm Stuxnet de danificar o complexo nuclear do Irã demonstrou para o mundo todo as capacidades das armas cibernéticas. E esse fato não foi ignorado pelo programa de pautas da conferência Black Hat e pelo seu fundador, Jeff Moss.
Moss, um consultor de segurança que foi designado em 2009 para servir no Departamento de Segurança Interna dos Estados Unidos, afirmou que alguns especialistas chamam o Stuxnet de “o primeiro ataque direcionado de armas cibernéticas”, mas ressalta que não concorda com isso.
“Não acredito que esse seja a primeira – acho que seja a primeira pública”, afirma Moss. “Penso que é a primeira da qual nós realmente falamos sobre.”
Discussões sobre técnicas usadas para montar ciberataques também estão se tornando cada vez mais públicas, ao menos na conferência Black Hat, realizada nesta semana em um hotel localizado a cerca de duas quadras do Pentágono, em Washington, capital dos EUA.
O evento possui debates específicos que discutirão as capacidades ofensivas de ciberguerra, que são geralmente chamadas de “táticas irregulares” e “conflitos na rede" ("web skirmishes”).
Moss disse que a Black Hat adicionou tais registros em sua última conferência “para pessoas que têm por tarefa realizar ataques cibernéticos.”
Sessões sobre ataques têm ocupado há muito tempo parte das conferências da Black Hat, afirma Moss. Mas anteriormente os assuntos tinham foco em usar tais táticas para testar defesas. “Agora (o ataque) possui suas próprias regras”, adiciona.
Enquanto isso, a Stuxnet está entrando em uma crescente biblioteca referencial de ciberataques divulgados, como uma invasão nos sistemas do Google no ano passado que teria sido ligada à China.
Moss acredita que o conhecimento público desses ataques está elevando o papel dos diretores de segurança (CSO), que agora possuem incidentes reais para usar como evidências ao explicar os riscos do mundo da tecnologia da informação para os diretores gerais (CEO) e de informática (CIO) das corporações.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Top 10 ameaças de segurança para 2011

Top 10 ameaças de segurança para 2011

 Dos dez principais ameaças de segurança para 2011, alguns deles até mesmo fazer o bem informado e técnicos mentes fracas nos joelhos. Já este ano, a ameaça número um foi identificado. Pela primeira vez na história da internet, os hackers podem comprar uma cópia registrada de um kit de Malware sofisticados para 99,00 dólares, mas mais sobre essa ameaça abaixo. Em nenhuma ordem particular, estes são os outros nove principais ameaças à segurança para 2011:
O Malware Toolkit: Este Kit Malware inclui todas as ferramentas necessárias para criar e atualizar o malware, bem como assumir o controle de um computador host, além de atualizações e-mail e suporte do produto. Por que isso é como a ameaça? Porque não são necessárias habilidades de codificação, os usuários simplesmente precisam dominar as opções do programa clicáveis e são apresentadas com uma web baseada em Linux exploit usando a mais recente tecnologia de botnets, pronto para implantar.
hacker…

Saiba como o Egito se desligou da web, e o que é feito para furar bloqueio

Internet foi criada para sobreviver a ataque nuclear, mas pode ser 'fechada'.
País tem rede pequena e provedores cooperaram com governo. Altieres RohrEspecial para o G1 Alguns telefonemas. É o que especialistas apostam ter sido suficiente para derrubar a internet no Egito. O país tem poucas das chamadas redes autônomas (AS, na sigla em inglês), que são as pequenas redes que, quando conectadas entre si, formam a internet. Existem ainda menos provedores internacionais que conectam o país. Desconectar o Egito, portanto, não foi difícil.
O Egito possui cerca de 3500 redes, mas apenas seis provedores internacionais.
Os quatro maiores provedores do Egito foram os primeiros a parar suas atividades após o pedido do governo. Os demais acabaram recebendo o tráfego extra, mas logo se viram sobrecarregados e também sob pressão até que o último provedor, Noor, foi desligado nesta segunda-feira (31). O Noor ligava companhias ocidentais à internet e também a bolsa de valores do país, que agora…

Lançamento da coleção "Investigação Criminal Tecnológica"

O delegado de polícia Higor Vinicius Nogueira Jorge lançou a coleção "Investigação Criminal Tecnológica", dividida em dois volumes.

O volume 1 aborda alguns procedimentos práticos de investigação criminal tecnológica, incluindo aspectos essenciais sobre infiltração virtual de agentes na rede mundial de computadores, informações sobre Uber, WhatsApp, Facebook, Twitter, Netflix, PayPal, Ebay, OLX, bem como ferramentas para investigação em fontes abertas e modelos de requisição, auto de materialização de evidências eletrônicas, representação de afastamento de sigilo eletrônico e relatório de investigação. 
O volume 2 oferece informações sintéticas sobre inteligência de Estado e Segurança Pública, incluindo informações sobre a história da inteligência no Brasil e no mundo, conceitos relacionados com Inteligência, Contrainteligência, Elemento Operacional, Doutrina Nacional de Inteligência de Segurança Pública, Metodologia da Produção do Conhecimento e Análise de Vínculos, técnic…