Pular para o conteúdo principal

Férias para o seu e-mail: botnet deixa de enviar 44 bilhões de spams

Por IDG News Service
Publicada em 06 de janeiro de 2011 às 11h33
Atualizada em 06 de janeiro de 2011 às 11h36

Resultado melhorou índices de mensagens indesejadas monitorados desde o final de dezembro, diz Symantec.

A conhecida botnet Rustock, responsável por aproximadamente metade de todos os spams enviados em 2010, diminui repentinamente o seu ritmo após o Natal, de acordo com a companhia de segurança Symantec.
Como 40% dos spams mundiais são enviados por esta única rede de computadores-zumbis (botnet) infectada pelo vírus Rustock, o resultado levou a uma queda substancial na quantidade de mensagens monitoradas.
“Normalmente, seriam enviados cerca de 44,1 bilhões de spams por dia, mas o volume caiu para cerca de 500 milhões desde 25 de dezembro", comentou a companhia.
“Talvez seja apenas temporário. De fato, ainda não há nada que explique está redução”, declarou o analista sênior da Symantec Hosted Services, Paul Wood.
Entretanto, Wood observou que o fato pode ter alguma relação com o fechamento do site SPAMIT em outubro, já que a página promovia o envio de spams populares.
Para aumentar ainda mais o mistério, outras botnets também diminuíram o ritmo de suas atividades, caso das botnet Lethic, desde de 28 de dezembro, e Xarvester, desde 31 de dezembro.
Esta não é a primeira vez que a Rustock apresenta comportamento irregular. Nos últimos anos, chegou a longos períodos de silêncio antes de retornar com um volume ainda maior de spams. "A botnet também parece influenciar outras ações indevidas na web, como a fraude de clique", completou Woods.
"No momento, não há explicação sobre o motivo dessas botnets pararem de enviar spams. Será que os responsáveis de repente tiraram férias?”, comentou o pesquisador da empresa, Eric Park, em um post no blog da empresa.
Ainda não se sabe quem são os controles da botnet Rustock.

(Ellen Messmer)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Palavra de Especialista com Delegado Higor Jorge

Hoje, às 19:00, no programa de estreia "Palavra de Especialista", o diretor da ADPESP Rodrigo Lacordia recebe o delegado de Polícia, professor e palestrante Dr. Higor Vinícius Nogueira Jorge para um bate-papo sobre crimes cibernéticos, além de dicas e informações sobre direito e tecnologia. Assistam a entrevista em: https://youtu.be/p9FF98siWvg e também no Spotify.

Obra com comentários sobre mais de 70 leis criminais tem valor promocional para associados ADPESP - Associação dos Delegados de Polícia do Estado de São Paulo

  A editora Juspodivm lançou a obra “Legislação Criminal Especial Comentada” elaborada por 24 delegados de polícia de todo o país, sendo 14 do estado de São Paulo. A coordenação é dos delegados Higor Vinicius Nogueira Jorge, de São Paulo, Joaquim Leitão Júnior, de Mato Grosso e William Garcez, do Rio Grande do Sul. O livro oferece comentários doutrinários e jurisprudenciais de forma objetiva, sobre mais de 70 leis criminais. Associados ADPESP podem comprar o lançamento com valor especial,  direto no site da editora Juspodivm. O cupom é válido até as 23:59 do dia 21 de maio . Para aproveitar o desconto, utilize o cupom ADPESP. A obra tem chamado a atenção do meio jurídico, sendo escrita pelos seguintes delegados e delegadas de polícia: – Antônio Flávio Rocha Freire – Bruno Fontenele Cabral – Everson Aparecido Contelli – Gabriela Madrid Aquino – Higor Vinicius Nogueira Jorge – Jakelline Costa Barros dos Santos – Joaquim Leitão Júnior – João Paulo Firpo Fontes – Joerberth Pinto Nunes – Kl

Publicado o livro “Direito Penal sob a perspectiva da investigação criminal tecnológica”

POR QUE COMPRAR O LIVRO: DIREITO PENAL SOB A PERSPECTIVA DA INVESTIGAÇÃO CRIMINAL TECNOLÓGICA? O mundo fenomênico sofre, constantemente, influência da tecnologia em sua evolução e no seu aperfeiçoamento. Logo, esse fenômeno repercute, também, no âmbito criminal, visto que os delitos atuais contam com um componente que evolui a cada minuto, qual seja, o tecnológico (informático, inclusive). Assim, os conceitos de vestígio e o de corpo de delito ampliaram-se. Tal fato exige dos investigadores preparação e atualização constantes, visto que o criminoso, no atual estágio, pode voltar ao local do crime até mesmo virtualmente para prejudicar a obtenção de sinais que, em geral, não são mais observáveis de plano ou percebidos materialmente, no sentido tradicional. Trata-se de um desafio e a forma de enfrentá-lo tem na capacitação o suporte necessário. Para tanto, a presente obra, coordenada pelo jovem e competente Delegado de Polícia Higor Vinicius Nogueira Jorge, viabiliza a obte