Pular para o conteúdo principal

Férias para o seu e-mail: botnet deixa de enviar 44 bilhões de spams

Por IDG News Service
Publicada em 06 de janeiro de 2011 às 11h33
Atualizada em 06 de janeiro de 2011 às 11h36

Resultado melhorou índices de mensagens indesejadas monitorados desde o final de dezembro, diz Symantec.

A conhecida botnet Rustock, responsável por aproximadamente metade de todos os spams enviados em 2010, diminui repentinamente o seu ritmo após o Natal, de acordo com a companhia de segurança Symantec.
Como 40% dos spams mundiais são enviados por esta única rede de computadores-zumbis (botnet) infectada pelo vírus Rustock, o resultado levou a uma queda substancial na quantidade de mensagens monitoradas.
“Normalmente, seriam enviados cerca de 44,1 bilhões de spams por dia, mas o volume caiu para cerca de 500 milhões desde 25 de dezembro", comentou a companhia.
“Talvez seja apenas temporário. De fato, ainda não há nada que explique está redução”, declarou o analista sênior da Symantec Hosted Services, Paul Wood.
Entretanto, Wood observou que o fato pode ter alguma relação com o fechamento do site SPAMIT em outubro, já que a página promovia o envio de spams populares.
Para aumentar ainda mais o mistério, outras botnets também diminuíram o ritmo de suas atividades, caso das botnet Lethic, desde de 28 de dezembro, e Xarvester, desde 31 de dezembro.
Esta não é a primeira vez que a Rustock apresenta comportamento irregular. Nos últimos anos, chegou a longos períodos de silêncio antes de retornar com um volume ainda maior de spams. "A botnet também parece influenciar outras ações indevidas na web, como a fraude de clique", completou Woods.
"No momento, não há explicação sobre o motivo dessas botnets pararem de enviar spams. Será que os responsáveis de repente tiraram férias?”, comentou o pesquisador da empresa, Eric Park, em um post no blog da empresa.
Ainda não se sabe quem são os controles da botnet Rustock.

(Ellen Messmer)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Top 10 ameaças de segurança para 2011

Top 10 ameaças de segurança para 2011  Dos dez principais ameaças de segurança para 2011, alguns deles até mesmo fazer o bem informado e técnicos mentes fracas nos joelhos. Já este ano, a ameaça número um foi identificado. Pela primeira vez na história da internet, os hackers podem comprar uma cópia registrada de um kit de Malware sofisticados para 99,00 dólares, mas mais sobre essa ameaça abaixo. Em nenhuma ordem particular, estes são os outros nove principais ameaças à segurança para 2011: O Malware Toolkit: Este Kit Malware inclui todas as ferramentas necessárias para criar e atualizar o malware, bem como assumir o controle de um computador host, além de atualizações e-mail e suporte do produto. Por que isso é como a ameaça? Porque não são necessárias habilidades de codificação, os usuários simplesmente precisam dominar as opções do programa clicáveis e são apresentadas com uma web baseada em Linux exploit usando a mais recente tecnologia de botnets, pronto para implantar. hacke

O perigo do ‘leilão de centavos’

Advogado especialista em segurança da informação denuncia as fraudes que levam internautas a perder dinheiro em sites Cristina Camargo Agência BOM DIA Atenção: ao não resistir à tentação e entrar em sites que promovem os “leilões de centavos”, você pode ser enganado e perder dinheiro . É o alerta do advogado José  Milagre, de Bauru, especializado em segurança da informação. “Em análise acerca da autenticidade de alguns sites, identificamos que, descaradamente e incrivelmente, os vencedores são sempre os mesmos – e estes usuários, na verdade, não existem”, escreveu no site Olhar Digital, em artigo que ganhou repercussão entre os internautas . Quem participa desses leilões compra créditos pré-pagos  para lançar à vontade nos produtos. Mas, segundo Milagre, grande parte desses endereços eletrônicos divulga informações falsas aos usuários. “Na verdade, [os sites] não estornam os créditos e alguns sequer permitem que os créditos sejam utilizados para a compra de outras mercadorias,

Polícia Federal cria ferramentas para combater a pornografia infantil

A Polícia Federal (PF) investe em tecnologias inovadoras no combate a pornografia infantil na Internet. Operações como Tapete Persa, Laio, Turko, e Carrossel I e II resultaram na prisão de diversos pedófilos nos últimos três anos. Uma das armas mais recentes nessa luta, o software NuDetective, desenvolvida por dois peritos do Mato Grosso do Sul, consegue identificar a presença de material com pornografia infantil em computador suspeito. A ferramenta foi apresentada na VII Conferência Internacional de Perícias em Crimes Cibernéticos (ICCyber 2010). O perito criminal federal e chefe do Serviço de Perícias em Informática da PF, Marcos Vinicius Lima, explica que o combate a pedofilia tem se intensificado com o aumento no número de prisões a cada ano: “somente na ultima ação prendemos mais de 20 suspeitos. Essas ferramentas deram efetividade ao trabalho da polícia”, afirmou. O NuDetective funciona por meio do reconhecimento automatizado de assinaturas de arquivos