Pular para o conteúdo principal

MS não tem delegacia para combater crimes cibernéticos

Foto: Div
Não há números oficiais. Mas policiais afirmam que tem crescido a quantidade de crimes cometidos através da internet. E para chegar até a autoria deles o ideal é ter uma delegacia específica, afirma especialista. Mato Grosso do Sul é um dos 17 estados onde não há uma delegacia especializada em combater os crimes cibernéticos.
No Estado há a Devir (Delegacia Virtual), mas que não atua diretamente no combate aos crimes cometidos pela internet, apesar de no decreto de criação da unidade estar previsto este tipo de trabalho. Há situações que são investigadas pela Dedfaz (Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes de Defraudações)
De acordo com o delegado Matusálem Sotolani, que responde pela assessoria de imprensa da Polícia Civil, já foi cogitada a criação de uma delegacia específica, no entanto, conforme ele, ainda não existe alto número de ocorrências. “Ainda são poucos os praticados pela internet. A demanda ainda não comporta”. Segundo ele, a instalação depende também de outras questões. “Demanda recursos, pessoal especializado”.
Matusálem explica que a Devir atua no suporte a outras unidades e em casos sigilosos, como por exemplo, que envolvem autoridades. A Devir funciona mais para agilizar o acesso do cidadão a registro de ocorrências. Pelo site www.devir.pc.ms.gov.br é possível registrar boletins de furtos simples, extravios e desaparecimento de pessoas.
Especialista -Diretor do Gabinete de Inteligência da Polícia Civil do Rio Grande do Sul e especialista em crimes cibernéticos, o delegado Emerson Wendt diz que é fundamental a existência de uma delegacia específica para combater os crimes praticados pela internet, sendo os mais comuns deles furtos em contas bancárias, fraudes com cartões de crédito, sites de financiamento de dinheiro sem autorização do Banco Central e crimes contra a honra (injúria, ameaça) cometidos em redes sociais.
Para ele, o ideal seria ter ao menos uma delegacia de Polícia em cada estado para interagir e trabalhar em conjunto no combate aos crimes praticados no ambiente virtual.
O delegado diz ainda que o crime organizado também atua na internet e usa a rede ainda para se comunicar. Para centralizar o combate a esta e a outras situações é importante haver uma delegacia especializada. “E também para policiais de outras unidades terem referencial de onde buscar informações e dar encaminhamentos”, explica Emerson Wendt.
Para que o crime seja desvendado é preciso dois passos, declara o policial. “O primeiro passo é a técnica (ordem judicial para chegar até a máquina, por exemplo) e o segundo é a investigação policial, para se chegar a quem estava sentado na frente da máquina naquele momento”.
Segundo Emerson, também são crimes cibernéticos a interceptação de e-mails, violação de senhas e quebra de sigilos bancários. Conforme ele, “redes não protegidas, redes abertas, sem controle de uso”, são mais fáceis de serem acessadas por um criminoso.
À frente -Possuem delegacias especializadas de combate a crimes cometidos através da internet: Rio Grande do Sul, São Paulo, Rio de Janeiro, Paraná, Espírito Santo, Minas Gerais, Pará, Mato Grosso e o Distrito Federal. (Campo grande News)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Top 10 ameaças de segurança para 2011

Top 10 ameaças de segurança para 2011

 Dos dez principais ameaças de segurança para 2011, alguns deles até mesmo fazer o bem informado e técnicos mentes fracas nos joelhos. Já este ano, a ameaça número um foi identificado. Pela primeira vez na história da internet, os hackers podem comprar uma cópia registrada de um kit de Malware sofisticados para 99,00 dólares, mas mais sobre essa ameaça abaixo. Em nenhuma ordem particular, estes são os outros nove principais ameaças à segurança para 2011:
O Malware Toolkit: Este Kit Malware inclui todas as ferramentas necessárias para criar e atualizar o malware, bem como assumir o controle de um computador host, além de atualizações e-mail e suporte do produto. Por que isso é como a ameaça? Porque não são necessárias habilidades de codificação, os usuários simplesmente precisam dominar as opções do programa clicáveis e são apresentadas com uma web baseada em Linux exploit usando a mais recente tecnologia de botnets, pronto para implantar.
hacker…

Palestra sobre inteligência estratégica no enfrentamento dos crimes cibernéticos na ADESG de Campinas

Infiltração virtual de agentes representa avanço nas técnicas especiais de investigação criminal

Francisco Sannini Neto – Delegado de Polícia do Estado de São Paulo – Mestre em Direitos Difusos e Coletivos – Especialista em Direito Público – Colunista no Canal Ciências Criminais - Professor da Graduação e Pós-Graduação da UNISAL – Professor Concursado da Academia de Polícia do Estado de São Paulo -  Professor do Damásio Educacional. Higor Vinicius Nogueira Jorge – Delegado de Polícia do Estado de São Paulo – Especialista em Polícia Comunitária – Especializando em Corrupção: Controle e Repressão a Desvios de Recursos Públicos – Membro da Associação Internacional de Investigação de Crimes de Alta Tecnologia (HTCIA) – Professor Concursado da Academia de Polícia do Estado de São Paulo – Professor de Inteligência Cibernética da Secretaria Nacional de Segurança Pública (SENASP). Introdução A infiltração de agentes encontra previsão legal na Lei de Drogas (art.53, I[i]) e mais recentemente na Lei 12.850/13, que trata das Organizações Criminosas. Contudo, foi este diploma normativo q…