Pular para o conteúdo principal

O que são crimes cibernéticos

06 DE AGOSTO DE 2009

Com a popularização da internet surgiu também os crimes virtuais ou cibercrimes, tais como:  criação de comunidades no orkut para apologia ao uso de drogas, envio de vírus por e-mail, acesso aos pedófilos nas redes sociais, pornografia infantil, dentre outros.
A esses crimes realizados através e com o auxílio do computador dá-se o nome de Crime Cibernético. O combate a esses crimes exige das autoridades uma ação conjunta com a sociedade, que deve denunciar esses crimes e verificar se estão realmente sendo investigados.
“A tecnologia não é culpada pela prática de crimes na internet. Para o delegado federal Carlos Sobral, garantir a segurança no mundo virtual é um dever de todos.” Em entrevista ao Diário do Nordeste o delegado diz que a distribuição de material pornográfico, fraudes financeiras e venda de medicamentos são os três crimes cibernéticos mais preocupantes para a PF. Vale a pena ler a entrevista na íntegra.
E para esses crimes existem leis?
“No Brasil não há legislação específica tratando de crimes cibernéticos como existem em outros países. Há, entretanto, no Congresso Nacional, um projeto de lei (PLS 076/2000), apresentado pelo Senador Eduardo Azeredo, que aglutina outros três projetos de lei que já se encontravam tramitando, porém se encontravam ultrapassados, visando a tipificação penal de condutas praticadas por meio destes sistemas. Esse projeto se encontra em harmonia com a “Convenção sobre Cibercrime”, celebrada em Budapest, na Hungria, em 23.11.2001, pois atende a todas as suas recomendações, muito embora não sejamos signatários dela. Porém, cabe destacar que havendo a sua aprovação não haverá ineditismo, pois a primeira lei brasileira a tratar desse tema veio a lume no ano de 2000, que é a Lei 9.983, que dentre outras modificações trazidas ao Código Penal, criou o chamado crime de “peculato eletrônico”, aplicável, entretanto, apenas a funcionários públicos.” (Crimes cibernéticos e a legislação brasileira – André Luiz Prieto e Hercules da Silva Gahyva)
Mas, e o que fazer para nos protegermos desses crimes? Quais orientações podemos dar aos nossos estudantes? Infelizmente ainda observamos alguns comportamentos de ‘risco’ entre os internautas. Quem ainda recebe manda  e-mails com as famosas correntes? Você ainda clica em endereços/links  que  recebe por e-mail? Tem um bom antivírus no seu computador? E por aí vai…
Aqui no blog já abordamos esse assunto na postagem As e-farsas no contexto escolar e mais recentemente sobre os problemas da exposição de cenas de sexo na twitcam (por adolescentes). Outras  sugestões para leitura: blog do do delegado Emerson Wendt e o site da Safernet.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Top 10 ameaças de segurança para 2011

Top 10 ameaças de segurança para 2011

 Dos dez principais ameaças de segurança para 2011, alguns deles até mesmo fazer o bem informado e técnicos mentes fracas nos joelhos. Já este ano, a ameaça número um foi identificado. Pela primeira vez na história da internet, os hackers podem comprar uma cópia registrada de um kit de Malware sofisticados para 99,00 dólares, mas mais sobre essa ameaça abaixo. Em nenhuma ordem particular, estes são os outros nove principais ameaças à segurança para 2011:
O Malware Toolkit: Este Kit Malware inclui todas as ferramentas necessárias para criar e atualizar o malware, bem como assumir o controle de um computador host, além de atualizações e-mail e suporte do produto. Por que isso é como a ameaça? Porque não são necessárias habilidades de codificação, os usuários simplesmente precisam dominar as opções do programa clicáveis e são apresentadas com uma web baseada em Linux exploit usando a mais recente tecnologia de botnets, pronto para implantar.
hacker…

Saiba como o Egito se desligou da web, e o que é feito para furar bloqueio

Internet foi criada para sobreviver a ataque nuclear, mas pode ser 'fechada'.
País tem rede pequena e provedores cooperaram com governo. Altieres RohrEspecial para o G1 Alguns telefonemas. É o que especialistas apostam ter sido suficiente para derrubar a internet no Egito. O país tem poucas das chamadas redes autônomas (AS, na sigla em inglês), que são as pequenas redes que, quando conectadas entre si, formam a internet. Existem ainda menos provedores internacionais que conectam o país. Desconectar o Egito, portanto, não foi difícil.
O Egito possui cerca de 3500 redes, mas apenas seis provedores internacionais.
Os quatro maiores provedores do Egito foram os primeiros a parar suas atividades após o pedido do governo. Os demais acabaram recebendo o tráfego extra, mas logo se viram sobrecarregados e também sob pressão até que o último provedor, Noor, foi desligado nesta segunda-feira (31). O Noor ligava companhias ocidentais à internet e também a bolsa de valores do país, que agora…

Bruxas e charlatães à solta na pandemia

Muito real e pertinente a reflexão do delegado Jorge B Pontes no artigo denominado: "Bruxas e charlatães à solta na pandemia" que reproduzo abaixo e recomendo a leitura.
Bruxas e charlatães à solta na pandemia
Jorge B Pontes

Quase tão terrível como a própria epidemia do covid-19, está sendo a revelação de que somos um país de bruxos, falsos profetas, curandeiros místicos, videntes apocalípticos e analistas de cenários geopolíticos catastróficos, todos aparentemente fugidos de um manicômio.
O curioso é que, quanto mais apedeutas, quanto menos ilustrados cientificamente, mais opinam essas pessoas. Definitivamente as redes sociais abriram as portas do hospício...
Essa gente desvairada, talvez em razão do ócio do isolamento, brotou de todos os lados na crise, sempre com um celular nas mãos e contas ativas no Facebook e Instagram, disparando - ou repassando frenética e automaticamente - posts estapafúrdios, para centenas de grupos de WhatsApp.
Essa usina de fake news é de fato u…