Pular para o conteúdo principal

Polícia comprova que Juliana Didone não era atriz de vídeo pornô

Antero Gomes
 
Sorriso perfeito, uma charmosa pintinha do lado esquerdo da boca, loura e de corpo escultural. Esses são alguns dos atributos físicos da atriz Juliana Didone, de 26 anos, eterna musa da série “Malhação”. Inconfundível? Nem tanto. No ano passado, enquanto os telespectadores da novela “Passione” acompanhavam a trama da personagem Lia, último papel de atriz na TV, um público sempre ávido por conteúdo pornográfico disseminava na internet uma outra história, a qual acreditava ser protagonizada por Didone: um vídeo caseiro em que ela supostamente fazia sexo com o namorado.
Era tudo uma grande mentira, comprovada agora por um exame pericial. Segundo a delegada titular da Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática (DRCI), Helen Sardenberg, o laudo já ficou pronto e vai ser anexado aos autos da investigação, aberta depois que a atriz denunciou o caso, em julho de 2010.
Exame pericial
Embora fosse vítima, a atriz aceitou se submeter a uma análise de “fotografia sinalética”, método usado pela primeira vez para solucionar casos policiais. Fotografias de Didone foram confrontadas com frames (quadros congelados) do vídeo em que aprece a verdadeira protagonista do sex tape.
— Eu tinha certeza de que não era eu antes mesmo de ver o vídeo. Sei com quem eu me relaciono. Depois que terminei meus relacionamentos, continuei amiga dos meus ex e nunca me filmei fazendo sexo. Até porque acho isso cafona. Não fiquei deprimida, não. Só quis tirar os vídeos da internet porque acho isso ruim — diz Didone.
A atriz conta que só procurou a delegacia cerca de seis meses depois das veiculações na internet porque achou que o caso não tomaria a dimensão que tomou.
Lorrane
Quando o vídeo começou a ser veiculado na rede mundial de computadores, em fevereiro do ano passado, referia-se a um filme caseiro de sexo entre “Lorrane e o seu noivo”. Só depois, devido à alegada semelhança, os internautas começaram a fazer a associação com Didone.
Fora do ar
A delegada titular da Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática (DRCI), Helen Sardenberg, diz que, ao longo do inquérito, conseguiu que mais de 20 sites e blogs retirassem o vídeo do ar. Mas muitas páginas na internet, ainda hoje, continuam indevidamente associando o nome da atriz ao filme.
Nesta quinta-feira, quase sete meses após o início das investigações, ao digitar o nome “Juliana Didone” no google, o primeiro status que parece anuncia “suposto vídeo pornô de Juliana Didone”. Na frente até de notícias sobre a carreira da atriz ou fofocas sobre supostos namoricos dela. O EXTRA digitou também a palavra pornô ao lado do nome de Didone. Apareceram 310 páginas.
Segundo Sardenberg, quase todos os sites e blogs de pornografia, embora não tivessem a certeza de que era Juliana Didone nas cenas, estavam se utilizando da confusão para receberem mais acessos:
— Olha a maldade: você entra nesse site, mas o próprio vídeo tem, no título, após o nome da atriz, pontos de interrogação, dando a entender que tanto pode ser ela como não. Então para que colocar? Aí, você entra no site e tem que se cadastrar no clube de vídeos. É um chamariz — diz Helen Sardenberg.
A delegada diz que não é possível identificar quem começou a associar o vídeo ao nome de Juliana Didone. A verdadeira protagonista das cenas calientes também ainda não foi encontrada.

Extraído do site: http://extra.globo.com/casos-de-policia/policia-comprova-que-juliana-didone-nao-era-atriz-de-video-porno-952629.html

Comentários

  1. Eu adoro o trabalho que ele fez Juliana Didone na série O Hipnotizador e agora eu quero ver mais de sua grande obra

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Palavra de Especialista com Delegado Higor Jorge

Hoje, às 19:00, no programa de estreia "Palavra de Especialista", o diretor da ADPESP Rodrigo Lacordia recebe o delegado de Polícia, professor e palestrante Dr. Higor Vinícius Nogueira Jorge para um bate-papo sobre crimes cibernéticos, além de dicas e informações sobre direito e tecnologia. Assistam a entrevista em: https://youtu.be/p9FF98siWvg e também no Spotify.

Obra com comentários sobre mais de 70 leis criminais tem valor promocional para associados ADPESP - Associação dos Delegados de Polícia do Estado de São Paulo

  A editora Juspodivm lançou a obra “Legislação Criminal Especial Comentada” elaborada por 24 delegados de polícia de todo o país, sendo 14 do estado de São Paulo. A coordenação é dos delegados Higor Vinicius Nogueira Jorge, de São Paulo, Joaquim Leitão Júnior, de Mato Grosso e William Garcez, do Rio Grande do Sul. O livro oferece comentários doutrinários e jurisprudenciais de forma objetiva, sobre mais de 70 leis criminais. Associados ADPESP podem comprar o lançamento com valor especial,  direto no site da editora Juspodivm. O cupom é válido até as 23:59 do dia 21 de maio . Para aproveitar o desconto, utilize o cupom ADPESP. A obra tem chamado a atenção do meio jurídico, sendo escrita pelos seguintes delegados e delegadas de polícia: – Antônio Flávio Rocha Freire – Bruno Fontenele Cabral – Everson Aparecido Contelli – Gabriela Madrid Aquino – Higor Vinicius Nogueira Jorge – Jakelline Costa Barros dos Santos – Joaquim Leitão Júnior – João Paulo Firpo Fontes – Joerberth Pinto Nunes – Kl

Lançamento de livros coordenados por Higor Jorge em São Paulo - Matéria do site da ADPESP

O restaurante da sede será palco do lançamento de três obras: “Manual de Educação Digital, cibercidadania e prevenção de crimes cibernéticos”, “Direito Penal sob a perspectiva da investigação criminal tecnológica”, do delegado Higor Jorge, e “Manual de investigação digital”, do delegado Guilherme Caselli. O evento acontece nesta quinta-feira, 12, de 12h às 15h, com a presença dos autores. Os associados ADPESP poderão adquirir as obras lançadas com valor promocional. Outros títulos Além das obras lançadas, também estarão disponíveis aos associados com valor promocional os livros “Manual de Interceptação Telefônica e Telemática”; “Fake News e Eleições – O Guia Definitivo”; “Enfrentamento da Corrupção e Investigação Criminal Tecnológica”; “Tratado de Investigação Criminal Tecnológica” e “Legislação Criminal Especial Comentada” . AUTORES: ANTÔNIO CARLOS CÂNDIDO ARAÚJO BRENO EDUARDO CAMPOS ALVES CAIO NOGUEIRA DOMINGUES DA FONSECA DÁRIO TACIANO DE FREITAS JÚNIOR DENIZE DOS SANTOS