Pular para o conteúdo principal

Cadastro de usuários em lan houses de todo o País para evitar crimes cibernéticos - O Estado do Paraná

Valéria Auada
Foi aprovada na noite desta quarta-feira (20) pela Câmara Federal, a emenda do deputado Sandro Alex (PPS/PR) que exige o cadastro de usuários com o nome e o número da carteira de identidade para a identificação em lan houses de todo o país. A emenda é aglutinativa ao projeto do governo federal que também foi aprovado pela Câmara Federal na noite de quarta-feira e permite às lan houses o acesso a financiamentos especiais para a compra de equipamentos e computadores, parcerias com o poder público e o desenvolvimento de projetos educacionais. Foi realizada também uma alteração no projeto que inibe e alerta o acesso de menores a conteúdos impróprios na internet. O projeto ainda será votado no Senado.
“Foi uma vitória ao combate aos crimes cibernéticos no Brasil”, reagiu Alex. O parlamentar está formando na Câmara Federal uma Frente Parlamentar de Combate aos Crimes Cibernéticos. Segundo o deputado, a maioria dos cibercrimes acontece em lan houses por causa do anonimato que ocasiona dificuldades na investigação da polícia. “Com a identificação, a polícia tem condição melhor de investigar quando alguém comete o cibercrime”, disse Alex. Ele ressalta que pela emenda de sua autoria aprovada pelo Congresso, o proprietário ou co-proprietário da lan house não serão co-responsabilizados pelos cibercrimes.
Paraná
No Paraná, o cadastro dos usuários de lan houses é obrigatório desde 2009 quando foi aprovado o projeto do deputado estadual Marcelo Rangel (PPS). Além do nome e do número da carteira de identidade, é obrigatório filmar o usuário das lan houses.
“Acho importante a aprovação da emenda (do deputado Sandro Alex), mas acho que deveria ser considerada a possibilidade da obrigatoriedade das imagens”, disse o delegado do Núcleo de Combate aos Cibercrimes (Nuciber), Demétrius Gonzaga de Oliveira. O Núcleo foi criado em 18 de novembro de 2005 e é considerado o primeiro do gênero do país.
Oliveira acha relevante também que se faça o acompanhamento de quem utiliza a rede wireless (rede sem fio). “Quem quiser cometer cibercrime não irá onde se exige a documentação”, observou Oliveira. O delegado já está em conversação com alguns parlamentares sobre a possibilidade de controle de utilização das redes wireless, inclusive dentro do serviço público.
O delegado sugere ainda que o Google disponibilize o IP (Internet Protocol Adress) da conexão com data, horário de criação das comunidades, perfis ou comentários dentro da comunidade Orkut.

Extraído do site: http://oestadopr.pron.com.br/cidades/noticias/14244/?noticia=cadastro-de-usuarios-em-lan-houses-de-todo-o-pais-para-evitar-crimes-ciberneticos

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Top 10 ameaças de segurança para 2011

Top 10 ameaças de segurança para 2011

 Dos dez principais ameaças de segurança para 2011, alguns deles até mesmo fazer o bem informado e técnicos mentes fracas nos joelhos. Já este ano, a ameaça número um foi identificado. Pela primeira vez na história da internet, os hackers podem comprar uma cópia registrada de um kit de Malware sofisticados para 99,00 dólares, mas mais sobre essa ameaça abaixo. Em nenhuma ordem particular, estes são os outros nove principais ameaças à segurança para 2011:
O Malware Toolkit: Este Kit Malware inclui todas as ferramentas necessárias para criar e atualizar o malware, bem como assumir o controle de um computador host, além de atualizações e-mail e suporte do produto. Por que isso é como a ameaça? Porque não são necessárias habilidades de codificação, os usuários simplesmente precisam dominar as opções do programa clicáveis e são apresentadas com uma web baseada em Linux exploit usando a mais recente tecnologia de botnets, pronto para implantar.
hacker…

Saiba como o Egito se desligou da web, e o que é feito para furar bloqueio

Internet foi criada para sobreviver a ataque nuclear, mas pode ser 'fechada'.
País tem rede pequena e provedores cooperaram com governo. Altieres RohrEspecial para o G1 Alguns telefonemas. É o que especialistas apostam ter sido suficiente para derrubar a internet no Egito. O país tem poucas das chamadas redes autônomas (AS, na sigla em inglês), que são as pequenas redes que, quando conectadas entre si, formam a internet. Existem ainda menos provedores internacionais que conectam o país. Desconectar o Egito, portanto, não foi difícil.
O Egito possui cerca de 3500 redes, mas apenas seis provedores internacionais.
Os quatro maiores provedores do Egito foram os primeiros a parar suas atividades após o pedido do governo. Os demais acabaram recebendo o tráfego extra, mas logo se viram sobrecarregados e também sob pressão até que o último provedor, Noor, foi desligado nesta segunda-feira (31). O Noor ligava companhias ocidentais à internet e também a bolsa de valores do país, que agora…

Bruxas e charlatães à solta na pandemia

Muito real e pertinente a reflexão do delegado Jorge B Pontes no artigo denominado: "Bruxas e charlatães à solta na pandemia" que reproduzo abaixo e recomendo a leitura.
Bruxas e charlatães à solta na pandemia
Jorge B Pontes

Quase tão terrível como a própria epidemia do covid-19, está sendo a revelação de que somos um país de bruxos, falsos profetas, curandeiros místicos, videntes apocalípticos e analistas de cenários geopolíticos catastróficos, todos aparentemente fugidos de um manicômio.
O curioso é que, quanto mais apedeutas, quanto menos ilustrados cientificamente, mais opinam essas pessoas. Definitivamente as redes sociais abriram as portas do hospício...
Essa gente desvairada, talvez em razão do ócio do isolamento, brotou de todos os lados na crise, sempre com um celular nas mãos e contas ativas no Facebook e Instagram, disparando - ou repassando frenética e automaticamente - posts estapafúrdios, para centenas de grupos de WhatsApp.
Essa usina de fake news é de fato u…