Pular para o conteúdo principal

Deputados destacam inclusão digital e facilidade de acesso a informações

O Projeto de Lei 4361/04, que regulamenta o funcionamento das chamadas lan houses, recebeu amplo apoio dos deputados nesta terça-feira. A grande maioria dos que se manifestaram destacou a necessidade de se ampliar o acesso à internet como forma de facilitar o acesso a informação e a serviços públicos.
Segundo o deputado Arnaldo Faria de Sá (PTB-SP), a iniciativa vai unificar a legislação e facilitar o acesso ao conhecimento das pessoas de classes sociais mais baixas. “As lan houses têm papel até de promover a alfabetização digital. O mundo se comunica pela internet e quem não tem computador precisa desses espaços para se comunicar”, disse.
O deputado Alessandro Molon (PT-RJ) também elogiou a proposta e destacou que essas casas são locais de inclusão digital para a população das classes D e E, “onde podem fazer seus estudos, inscrever-se para concursos e, em alguns locais, fazer matrícula para a rede pública de ensino”.
O deputado Eduardo Azeredo (PSDB-MG) disse que em vilas e favelas brasileiras as lan houses são “pontos de informação” para a juventude. Ele destacou o trecho do projeto que concede prioridade aos centros para a compra de computadores ofertados pelo governo federal.
Mudança de enfoque
O deputado Antonio Carlos Mendes Thame (PSDB-SP) elogiou a “mudança no enfoque” que o tema sofreu desde que o assunto começou a ser debatido na Câmara. “Antes, o enfoque era restritivo, mas agora há o estímulo por causa do imenso potencial de desenvolvimento pessoal das crianças que têm as lan houses”, comparou.
Alguns deputados, como Anthony Garotinho (PR-RJ), manifestaram preocupação com o fato de o relator, deputado Otavio Leite (PSDB-RJ), não ter acatado uma mudança na redação do projeto relativa à restrição, aos menores de 18 anos, do acesso a jogos eletrônicos não recomendados para sua faixa etária. “A palavra correta que deve ser incluída é ‘alertar’ no lugar de ‘orientar’ [os jovens a não acessarem esses sites]”, declarou.
Também houve quem alertasse sobre os riscos de crimes cibernéticos cometidos nesses locais, e essa preocupação levou o PV a ameaçar derrubar a sessão. Com isso, Otavio Leite incluiu no seu texto a necessidade de os estabelecimentos registrarem o nome e o número da identidade do usuário.
Reportagem – Rodrigo Bittar
Edição – Marcos Rossi

http://www2.camara.gov.br/agencia/noticias/COMUNICACAO/195903-DEPUTADOS-DESTACAM-INCLUSAO-DIGITAL-E-FACILIDADE-DE-ACESSO-A-INFORMACOES.html

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Top 10 ameaças de segurança para 2011

Top 10 ameaças de segurança para 2011

 Dos dez principais ameaças de segurança para 2011, alguns deles até mesmo fazer o bem informado e técnicos mentes fracas nos joelhos. Já este ano, a ameaça número um foi identificado. Pela primeira vez na história da internet, os hackers podem comprar uma cópia registrada de um kit de Malware sofisticados para 99,00 dólares, mas mais sobre essa ameaça abaixo. Em nenhuma ordem particular, estes são os outros nove principais ameaças à segurança para 2011:
O Malware Toolkit: Este Kit Malware inclui todas as ferramentas necessárias para criar e atualizar o malware, bem como assumir o controle de um computador host, além de atualizações e-mail e suporte do produto. Por que isso é como a ameaça? Porque não são necessárias habilidades de codificação, os usuários simplesmente precisam dominar as opções do programa clicáveis e são apresentadas com uma web baseada em Linux exploit usando a mais recente tecnologia de botnets, pronto para implantar.
hacker…

Saiba como o Egito se desligou da web, e o que é feito para furar bloqueio

Internet foi criada para sobreviver a ataque nuclear, mas pode ser 'fechada'.
País tem rede pequena e provedores cooperaram com governo. Altieres RohrEspecial para o G1 Alguns telefonemas. É o que especialistas apostam ter sido suficiente para derrubar a internet no Egito. O país tem poucas das chamadas redes autônomas (AS, na sigla em inglês), que são as pequenas redes que, quando conectadas entre si, formam a internet. Existem ainda menos provedores internacionais que conectam o país. Desconectar o Egito, portanto, não foi difícil.
O Egito possui cerca de 3500 redes, mas apenas seis provedores internacionais.
Os quatro maiores provedores do Egito foram os primeiros a parar suas atividades após o pedido do governo. Os demais acabaram recebendo o tráfego extra, mas logo se viram sobrecarregados e também sob pressão até que o último provedor, Noor, foi desligado nesta segunda-feira (31). O Noor ligava companhias ocidentais à internet e também a bolsa de valores do país, que agora…

Bruxas e charlatães à solta na pandemia

Muito real e pertinente a reflexão do delegado Jorge B Pontes no artigo denominado: "Bruxas e charlatães à solta na pandemia" que reproduzo abaixo e recomendo a leitura.
Bruxas e charlatães à solta na pandemia
Jorge B Pontes

Quase tão terrível como a própria epidemia do covid-19, está sendo a revelação de que somos um país de bruxos, falsos profetas, curandeiros místicos, videntes apocalípticos e analistas de cenários geopolíticos catastróficos, todos aparentemente fugidos de um manicômio.
O curioso é que, quanto mais apedeutas, quanto menos ilustrados cientificamente, mais opinam essas pessoas. Definitivamente as redes sociais abriram as portas do hospício...
Essa gente desvairada, talvez em razão do ócio do isolamento, brotou de todos os lados na crise, sempre com um celular nas mãos e contas ativas no Facebook e Instagram, disparando - ou repassando frenética e automaticamente - posts estapafúrdios, para centenas de grupos de WhatsApp.
Essa usina de fake news é de fato u…