Pular para o conteúdo principal

FBI convoca especialistas para a guerra cibernética


Por João Ozorio de Melo

Assim caminha a humanidade: a Segunda Guerra Mundial foi substituída pela Guerra Fria (Cold War), que foi substituída pela Guerra ao Terror (War on Terror), que será substituída pela Guerra Cibernética (Cyberwar). "Em breve", disse o diretor do FBI, Robert Mueller, durante a conferência anual de profissionais da segurança cibernética, em São Francisco, Califórnia, na quinta-feira (1/3). "O crime cibernético está se tornando uma ameaça maior que o terrorismo. Será mais perigoso para os Estados Unidos do que a Al Qaeda", previu a maior autoridade de combate ao crime do país, de acordo com a CNN e oGlobalPost.
Mueller (na foto) foi à conferência para mobilizar profissionais da segurança cibernética para a guerra cibernética. "Trabalhem conosco", ele disse, para estimular os profissionais da área a se tornarem colaboradores do FBI. As empresas detestam relatar falhas de segurança. De uma maneira geral, preferem resolver os problemas privadamente, do que correr o risco de serem expostas ou envolvidas em investigações que consomem muito tempo, ele explicou.
"Existem apenas dois tipos de empresas: aquelas que já sofreram ataques de hackers e aquelas que ainda vão sofrer. Elas vão se fundir em uma categoria: aquelas que já sofreram ataques de hackers e aquelas que vão sofrer ataques de hackers de novo", declarou. "Manter o código de silêncio, não vai ajudar a ninguém, a longo prazo."
Ele declarou que, por enquanto, o combate ao terrorismo continua sendo a prioridade número um do FBI. "Mas prevemos que, em um futuro não tão distante, as ameaças cibernéticas vão constituir o maior perigo para o país", afirmou. Ele previu também a combinação das duas ameaças: "Até hoje, os terroristas ainda não usaram a internet para lançar um ataque cibernético em grande escala aos Estados Unidos. Mas, não podemos subestimar a intenção dos terroristas", ele pregou.
Depois dos ataques às torres gêmeas de Nova York, em 11 de setembro de 2001, o FBI investiu pesadamente no desenvolvimento de sua capacidade técnica e estrutural de combate ao terrorismo. Mais de 100 forças-tarefas antiterroristas foram criadas, em um esforço conjunto com outros órgãos federais de segurança e de inteligência, de unidades militares e de forças policiais locais, noticiou a CNN. Agora, o FBI está desenvolvendo um modelo similar para combater criminosos cibernéticos: criou o esquadrão de segurança cibernética (cybersquad), com 56 unidades físicas e mais de mil agentes e analistas, que se encarregará de policiar a internet.
O foco do FBI passou a ser os principais grupos de ameaça: terroristas, coligações de crime organizado e espionagem cibernética patrocinada por governos. "Os hackers patrocinados por governos são pacientes e calculistas", Mueller explicou. "Eles dispõem de tempo, dinheiro, recursos para investigar e podem esperar. Você pode descobrir uma falha na segurança, só para descobrir, mais tarde, que o dano real já foi causado em um nível bem mais alto", afirmou.
O diretor do FBI não citou especificamente a China, mas outros palestrantes o fizeram durante a conferência de uma semana. Há previsões de que os Estados Unidos e a China serão os nomes exponenciais da Guerra Cibernética — como foram Estados Unidos, Afeganistão e Iraque na Guerra ao Terror, e Estados Unidos e Rússia na Guerra Fria. Mas, não interessa nem aos Estados Unidos, nem à China entrar em guerra declarada, com ataques mútuos de grande escala: os dois países são muito dependentes, economicamente, um do outro.
Enquanto a guerra é anunciada, os vernáculos dos países vão se engrossando com novos vocábulos cibernéticos, cunhados principalmente pelas autoridades e pela imprensa americanas: 1) cyberwar(guerra cibernética); 2) cyberattacks (ataque cibernético ou cyberataque); 3) cybercrime (crime cibernético); 4) cybercriminal (criminoso cibernético); 5) cyberthreat (ameaça cibernética); 6)cyberterror (terror cibernético); 7) cyberterrorism (terrorismo cibernético ou cyberterrorismo); 8)cyberbattle (batalha cibernética); 9) cyber hachtivists (hackers militantes cibernéticos, aqueles que, segundo as autoridades americanas, estão do lado "errado", como os do grupo Anonymous, que ficaram do lado da Wikileaks); 10) cyberespionage (espionagem cibernética); 11) cyberspace(espaço cibernético); 12) cybersecurity (segurança cibernética); 13) cybersquad (esquadrão cibernético); 14) cyber criminal syndicates (sindicatos do crime cibernético).
João Ozorio de Melo é correspondente da revista Consultor Jurídico nos Estados Unidos.
Revista Consultor Jurídico, 2 de março de 2012

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Palavra de Especialista com Delegado Higor Jorge

Hoje, às 19:00, no programa de estreia "Palavra de Especialista", o diretor da ADPESP Rodrigo Lacordia recebe o delegado de Polícia, professor e palestrante Dr. Higor Vinícius Nogueira Jorge para um bate-papo sobre crimes cibernéticos, além de dicas e informações sobre direito e tecnologia. Assistam a entrevista em: https://youtu.be/p9FF98siWvg e também no Spotify.

Obra com comentários sobre mais de 70 leis criminais tem valor promocional para associados ADPESP - Associação dos Delegados de Polícia do Estado de São Paulo

  A editora Juspodivm lançou a obra “Legislação Criminal Especial Comentada” elaborada por 24 delegados de polícia de todo o país, sendo 14 do estado de São Paulo. A coordenação é dos delegados Higor Vinicius Nogueira Jorge, de São Paulo, Joaquim Leitão Júnior, de Mato Grosso e William Garcez, do Rio Grande do Sul. O livro oferece comentários doutrinários e jurisprudenciais de forma objetiva, sobre mais de 70 leis criminais. Associados ADPESP podem comprar o lançamento com valor especial,  direto no site da editora Juspodivm. O cupom é válido até as 23:59 do dia 21 de maio . Para aproveitar o desconto, utilize o cupom ADPESP. A obra tem chamado a atenção do meio jurídico, sendo escrita pelos seguintes delegados e delegadas de polícia: – Antônio Flávio Rocha Freire – Bruno Fontenele Cabral – Everson Aparecido Contelli – Gabriela Madrid Aquino – Higor Vinicius Nogueira Jorge – Jakelline Costa Barros dos Santos – Joaquim Leitão Júnior – João Paulo Firpo Fontes – Joerberth Pinto Nunes – Kl

Lançamento de livros coordenados por Higor Jorge em São Paulo - Matéria do site da ADPESP

O restaurante da sede será palco do lançamento de três obras: “Manual de Educação Digital, cibercidadania e prevenção de crimes cibernéticos”, “Direito Penal sob a perspectiva da investigação criminal tecnológica”, do delegado Higor Jorge, e “Manual de investigação digital”, do delegado Guilherme Caselli. O evento acontece nesta quinta-feira, 12, de 12h às 15h, com a presença dos autores. Os associados ADPESP poderão adquirir as obras lançadas com valor promocional. Outros títulos Além das obras lançadas, também estarão disponíveis aos associados com valor promocional os livros “Manual de Interceptação Telefônica e Telemática”; “Fake News e Eleições – O Guia Definitivo”; “Enfrentamento da Corrupção e Investigação Criminal Tecnológica”; “Tratado de Investigação Criminal Tecnológica” e “Legislação Criminal Especial Comentada” . AUTORES: ANTÔNIO CARLOS CÂNDIDO ARAÚJO BRENO EDUARDO CAMPOS ALVES CAIO NOGUEIRA DOMINGUES DA FONSECA DÁRIO TACIANO DE FREITAS JÚNIOR DENIZE DOS SANTOS