Pular para o conteúdo principal

FBI convoca especialistas para a guerra cibernética


Por João Ozorio de Melo

Assim caminha a humanidade: a Segunda Guerra Mundial foi substituída pela Guerra Fria (Cold War), que foi substituída pela Guerra ao Terror (War on Terror), que será substituída pela Guerra Cibernética (Cyberwar). "Em breve", disse o diretor do FBI, Robert Mueller, durante a conferência anual de profissionais da segurança cibernética, em São Francisco, Califórnia, na quinta-feira (1/3). "O crime cibernético está se tornando uma ameaça maior que o terrorismo. Será mais perigoso para os Estados Unidos do que a Al Qaeda", previu a maior autoridade de combate ao crime do país, de acordo com a CNN e oGlobalPost.
Mueller (na foto) foi à conferência para mobilizar profissionais da segurança cibernética para a guerra cibernética. "Trabalhem conosco", ele disse, para estimular os profissionais da área a se tornarem colaboradores do FBI. As empresas detestam relatar falhas de segurança. De uma maneira geral, preferem resolver os problemas privadamente, do que correr o risco de serem expostas ou envolvidas em investigações que consomem muito tempo, ele explicou.
"Existem apenas dois tipos de empresas: aquelas que já sofreram ataques de hackers e aquelas que ainda vão sofrer. Elas vão se fundir em uma categoria: aquelas que já sofreram ataques de hackers e aquelas que vão sofrer ataques de hackers de novo", declarou. "Manter o código de silêncio, não vai ajudar a ninguém, a longo prazo."
Ele declarou que, por enquanto, o combate ao terrorismo continua sendo a prioridade número um do FBI. "Mas prevemos que, em um futuro não tão distante, as ameaças cibernéticas vão constituir o maior perigo para o país", afirmou. Ele previu também a combinação das duas ameaças: "Até hoje, os terroristas ainda não usaram a internet para lançar um ataque cibernético em grande escala aos Estados Unidos. Mas, não podemos subestimar a intenção dos terroristas", ele pregou.
Depois dos ataques às torres gêmeas de Nova York, em 11 de setembro de 2001, o FBI investiu pesadamente no desenvolvimento de sua capacidade técnica e estrutural de combate ao terrorismo. Mais de 100 forças-tarefas antiterroristas foram criadas, em um esforço conjunto com outros órgãos federais de segurança e de inteligência, de unidades militares e de forças policiais locais, noticiou a CNN. Agora, o FBI está desenvolvendo um modelo similar para combater criminosos cibernéticos: criou o esquadrão de segurança cibernética (cybersquad), com 56 unidades físicas e mais de mil agentes e analistas, que se encarregará de policiar a internet.
O foco do FBI passou a ser os principais grupos de ameaça: terroristas, coligações de crime organizado e espionagem cibernética patrocinada por governos. "Os hackers patrocinados por governos são pacientes e calculistas", Mueller explicou. "Eles dispõem de tempo, dinheiro, recursos para investigar e podem esperar. Você pode descobrir uma falha na segurança, só para descobrir, mais tarde, que o dano real já foi causado em um nível bem mais alto", afirmou.
O diretor do FBI não citou especificamente a China, mas outros palestrantes o fizeram durante a conferência de uma semana. Há previsões de que os Estados Unidos e a China serão os nomes exponenciais da Guerra Cibernética — como foram Estados Unidos, Afeganistão e Iraque na Guerra ao Terror, e Estados Unidos e Rússia na Guerra Fria. Mas, não interessa nem aos Estados Unidos, nem à China entrar em guerra declarada, com ataques mútuos de grande escala: os dois países são muito dependentes, economicamente, um do outro.
Enquanto a guerra é anunciada, os vernáculos dos países vão se engrossando com novos vocábulos cibernéticos, cunhados principalmente pelas autoridades e pela imprensa americanas: 1) cyberwar(guerra cibernética); 2) cyberattacks (ataque cibernético ou cyberataque); 3) cybercrime (crime cibernético); 4) cybercriminal (criminoso cibernético); 5) cyberthreat (ameaça cibernética); 6)cyberterror (terror cibernético); 7) cyberterrorism (terrorismo cibernético ou cyberterrorismo); 8)cyberbattle (batalha cibernética); 9) cyber hachtivists (hackers militantes cibernéticos, aqueles que, segundo as autoridades americanas, estão do lado "errado", como os do grupo Anonymous, que ficaram do lado da Wikileaks); 10) cyberespionage (espionagem cibernética); 11) cyberspace(espaço cibernético); 12) cybersecurity (segurança cibernética); 13) cybersquad (esquadrão cibernético); 14) cyber criminal syndicates (sindicatos do crime cibernético).
João Ozorio de Melo é correspondente da revista Consultor Jurídico nos Estados Unidos.
Revista Consultor Jurídico, 2 de março de 2012

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Top 10 ameaças de segurança para 2011

Top 10 ameaças de segurança para 2011

 Dos dez principais ameaças de segurança para 2011, alguns deles até mesmo fazer o bem informado e técnicos mentes fracas nos joelhos. Já este ano, a ameaça número um foi identificado. Pela primeira vez na história da internet, os hackers podem comprar uma cópia registrada de um kit de Malware sofisticados para 99,00 dólares, mas mais sobre essa ameaça abaixo. Em nenhuma ordem particular, estes são os outros nove principais ameaças à segurança para 2011:
O Malware Toolkit: Este Kit Malware inclui todas as ferramentas necessárias para criar e atualizar o malware, bem como assumir o controle de um computador host, além de atualizações e-mail e suporte do produto. Por que isso é como a ameaça? Porque não são necessárias habilidades de codificação, os usuários simplesmente precisam dominar as opções do programa clicáveis e são apresentadas com uma web baseada em Linux exploit usando a mais recente tecnologia de botnets, pronto para implantar.
hacker…

Saiba como o Egito se desligou da web, e o que é feito para furar bloqueio

Internet foi criada para sobreviver a ataque nuclear, mas pode ser 'fechada'.
País tem rede pequena e provedores cooperaram com governo. Altieres RohrEspecial para o G1 Alguns telefonemas. É o que especialistas apostam ter sido suficiente para derrubar a internet no Egito. O país tem poucas das chamadas redes autônomas (AS, na sigla em inglês), que são as pequenas redes que, quando conectadas entre si, formam a internet. Existem ainda menos provedores internacionais que conectam o país. Desconectar o Egito, portanto, não foi difícil.
O Egito possui cerca de 3500 redes, mas apenas seis provedores internacionais.
Os quatro maiores provedores do Egito foram os primeiros a parar suas atividades após o pedido do governo. Os demais acabaram recebendo o tráfego extra, mas logo se viram sobrecarregados e também sob pressão até que o último provedor, Noor, foi desligado nesta segunda-feira (31). O Noor ligava companhias ocidentais à internet e também a bolsa de valores do país, que agora…

Lançamento da coleção "Investigação Criminal Tecnológica"

O delegado de polícia Higor Vinicius Nogueira Jorge lançou a coleção "Investigação Criminal Tecnológica", dividida em dois volumes.

O volume 1 aborda alguns procedimentos práticos de investigação criminal tecnológica, incluindo aspectos essenciais sobre infiltração virtual de agentes na rede mundial de computadores, informações sobre Uber, WhatsApp, Facebook, Twitter, Netflix, PayPal, Ebay, OLX, bem como ferramentas para investigação em fontes abertas e modelos de requisição, auto de materialização de evidências eletrônicas, representação de afastamento de sigilo eletrônico e relatório de investigação. 
O volume 2 oferece informações sintéticas sobre inteligência de Estado e Segurança Pública, incluindo informações sobre a história da inteligência no Brasil e no mundo, conceitos relacionados com Inteligência, Contrainteligência, Elemento Operacional, Doutrina Nacional de Inteligência de Segurança Pública, Metodologia da Produção do Conhecimento e Análise de Vínculos, técnic…