Pular para o conteúdo principal

Proteção Inadequada dos Bancos Favorece Ação dos Crackers



Uma parcela significativa de grandes bancos brasileiros, não se protege de crimes eletrônicos da forma como deveria. Essa conclusão é de uma análise realizada pela consultoria KPMG e apresentada na última quarta-feira, dia 23, durante o Seminário sobre Segurança da Informação, organizado pela Febraban. Essa análise foi apresentada por Frank Meylan, sócio da prática de IT Advisory da KPMG.

Na opinião de Meylan, os bancos se preocupam muito mais com a Internet, deixando em segundo plano a atenção e inspeção que deveria ser dispensada as agências. O analista ressaltou, que as agências continuam sendo o principal canal de relacionamento do banco com os seus clientes, e que hoje tudo o que acontece dentro delas passa por profundas transformações.




Instituições Bancárias Ainda não Estão Protegidas Devidamente em Questões de Segurança



Nesse contexto, Meylan disse que os bancos tratam as agências como ambiente interno, e por isso acreditam que elas estão menos sujeitas a riscos. No entanto, ele lembrou que estas mesmas agências estão passando por algumas mudanças atualmente, com a intenção de absorver novas aplicações. Um exemplo disso são as redes sem fio, que estão cada vez mais presentes na estrutura das agências. 

De acordo com as considerações de Meylan, geralmente estas redes são implementadas seguindo rígidos padrões de segurança, mas o risco surge ao longo do tempo. Além disso, a manutenção e a atualização destas redes são feitas por terceiros, e não há uma fiscalização dos bancos quanto ao cumprimento dos padrões de segurança existentes no início. O resultado é que estas redes estão se tornando, cada vez mais frequentemente, portas abertas para crackers e outros tipos de criminosos do gênero.

Outros canais de relacionamento também apresentam problemas. Os caixas eletrônicos, por exemplo, sofrem com a falta de padronização. Meylan disse que, em um grande banco, é possível encontrar até 30 modelos diferentes de caixas eletrônicos. Segundo ele, essa diversidade é uma fonte de falhas de segurança, que viabiliza as invasões de redes.

Na visão ampla da KMPG, a Internet representa o maior desafio a ser trabalhado, já que é o mais exposto; consequentemente, torna-se bastante suscetível à atividades maliciosas. Meylan revelou que aqui se encontram vulnerabilidades de aplicações e de infraestrutura, e muitas aplicações mantêm um legado grande para se manterem competitivas. Isso sem contar com a devida manutenção dos padrões de segurança.



Fonte: Under Linux

Extraído do site: http://www.soumaislinux.com.br/noticias/946/protecao-inadequada-dos-bancos-favorece-acao-dos-crackers

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Palavra de Especialista com Delegado Higor Jorge

Hoje, às 19:00, no programa de estreia "Palavra de Especialista", o diretor da ADPESP Rodrigo Lacordia recebe o delegado de Polícia, professor e palestrante Dr. Higor Vinícius Nogueira Jorge para um bate-papo sobre crimes cibernéticos, além de dicas e informações sobre direito e tecnologia. Assistam a entrevista em: https://youtu.be/p9FF98siWvg e também no Spotify.

Obra com comentários sobre mais de 70 leis criminais tem valor promocional para associados ADPESP - Associação dos Delegados de Polícia do Estado de São Paulo

  A editora Juspodivm lançou a obra “Legislação Criminal Especial Comentada” elaborada por 24 delegados de polícia de todo o país, sendo 14 do estado de São Paulo. A coordenação é dos delegados Higor Vinicius Nogueira Jorge, de São Paulo, Joaquim Leitão Júnior, de Mato Grosso e William Garcez, do Rio Grande do Sul. O livro oferece comentários doutrinários e jurisprudenciais de forma objetiva, sobre mais de 70 leis criminais. Associados ADPESP podem comprar o lançamento com valor especial,  direto no site da editora Juspodivm. O cupom é válido até as 23:59 do dia 21 de maio . Para aproveitar o desconto, utilize o cupom ADPESP. A obra tem chamado a atenção do meio jurídico, sendo escrita pelos seguintes delegados e delegadas de polícia: – Antônio Flávio Rocha Freire – Bruno Fontenele Cabral – Everson Aparecido Contelli – Gabriela Madrid Aquino – Higor Vinicius Nogueira Jorge – Jakelline Costa Barros dos Santos – Joaquim Leitão Júnior – João Paulo Firpo Fontes – Joerberth Pinto Nunes – Kl

Publicado o livro “Direito Penal sob a perspectiva da investigação criminal tecnológica”

POR QUE COMPRAR O LIVRO: DIREITO PENAL SOB A PERSPECTIVA DA INVESTIGAÇÃO CRIMINAL TECNOLÓGICA? O mundo fenomênico sofre, constantemente, influência da tecnologia em sua evolução e no seu aperfeiçoamento. Logo, esse fenômeno repercute, também, no âmbito criminal, visto que os delitos atuais contam com um componente que evolui a cada minuto, qual seja, o tecnológico (informático, inclusive). Assim, os conceitos de vestígio e o de corpo de delito ampliaram-se. Tal fato exige dos investigadores preparação e atualização constantes, visto que o criminoso, no atual estágio, pode voltar ao local do crime até mesmo virtualmente para prejudicar a obtenção de sinais que, em geral, não são mais observáveis de plano ou percebidos materialmente, no sentido tradicional. Trata-se de um desafio e a forma de enfrentá-lo tem na capacitação o suporte necessário. Para tanto, a presente obra, coordenada pelo jovem e competente Delegado de Polícia Higor Vinicius Nogueira Jorge, viabiliza a obte