Pular para o conteúdo principal

Proteção Inadequada dos Bancos Favorece Ação dos Crackers



Uma parcela significativa de grandes bancos brasileiros, não se protege de crimes eletrônicos da forma como deveria. Essa conclusão é de uma análise realizada pela consultoria KPMG e apresentada na última quarta-feira, dia 23, durante o Seminário sobre Segurança da Informação, organizado pela Febraban. Essa análise foi apresentada por Frank Meylan, sócio da prática de IT Advisory da KPMG.

Na opinião de Meylan, os bancos se preocupam muito mais com a Internet, deixando em segundo plano a atenção e inspeção que deveria ser dispensada as agências. O analista ressaltou, que as agências continuam sendo o principal canal de relacionamento do banco com os seus clientes, e que hoje tudo o que acontece dentro delas passa por profundas transformações.




Instituições Bancárias Ainda não Estão Protegidas Devidamente em Questões de Segurança



Nesse contexto, Meylan disse que os bancos tratam as agências como ambiente interno, e por isso acreditam que elas estão menos sujeitas a riscos. No entanto, ele lembrou que estas mesmas agências estão passando por algumas mudanças atualmente, com a intenção de absorver novas aplicações. Um exemplo disso são as redes sem fio, que estão cada vez mais presentes na estrutura das agências. 

De acordo com as considerações de Meylan, geralmente estas redes são implementadas seguindo rígidos padrões de segurança, mas o risco surge ao longo do tempo. Além disso, a manutenção e a atualização destas redes são feitas por terceiros, e não há uma fiscalização dos bancos quanto ao cumprimento dos padrões de segurança existentes no início. O resultado é que estas redes estão se tornando, cada vez mais frequentemente, portas abertas para crackers e outros tipos de criminosos do gênero.

Outros canais de relacionamento também apresentam problemas. Os caixas eletrônicos, por exemplo, sofrem com a falta de padronização. Meylan disse que, em um grande banco, é possível encontrar até 30 modelos diferentes de caixas eletrônicos. Segundo ele, essa diversidade é uma fonte de falhas de segurança, que viabiliza as invasões de redes.

Na visão ampla da KMPG, a Internet representa o maior desafio a ser trabalhado, já que é o mais exposto; consequentemente, torna-se bastante suscetível à atividades maliciosas. Meylan revelou que aqui se encontram vulnerabilidades de aplicações e de infraestrutura, e muitas aplicações mantêm um legado grande para se manterem competitivas. Isso sem contar com a devida manutenção dos padrões de segurança.



Fonte: Under Linux

Extraído do site: http://www.soumaislinux.com.br/noticias/946/protecao-inadequada-dos-bancos-favorece-acao-dos-crackers

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Top 10 ameaças de segurança para 2011

Top 10 ameaças de segurança para 2011

 Dos dez principais ameaças de segurança para 2011, alguns deles até mesmo fazer o bem informado e técnicos mentes fracas nos joelhos. Já este ano, a ameaça número um foi identificado. Pela primeira vez na história da internet, os hackers podem comprar uma cópia registrada de um kit de Malware sofisticados para 99,00 dólares, mas mais sobre essa ameaça abaixo. Em nenhuma ordem particular, estes são os outros nove principais ameaças à segurança para 2011:
O Malware Toolkit: Este Kit Malware inclui todas as ferramentas necessárias para criar e atualizar o malware, bem como assumir o controle de um computador host, além de atualizações e-mail e suporte do produto. Por que isso é como a ameaça? Porque não são necessárias habilidades de codificação, os usuários simplesmente precisam dominar as opções do programa clicáveis e são apresentadas com uma web baseada em Linux exploit usando a mais recente tecnologia de botnets, pronto para implantar.
hacker…

Saiba como o Egito se desligou da web, e o que é feito para furar bloqueio

Internet foi criada para sobreviver a ataque nuclear, mas pode ser 'fechada'.
País tem rede pequena e provedores cooperaram com governo. Altieres RohrEspecial para o G1 Alguns telefonemas. É o que especialistas apostam ter sido suficiente para derrubar a internet no Egito. O país tem poucas das chamadas redes autônomas (AS, na sigla em inglês), que são as pequenas redes que, quando conectadas entre si, formam a internet. Existem ainda menos provedores internacionais que conectam o país. Desconectar o Egito, portanto, não foi difícil.
O Egito possui cerca de 3500 redes, mas apenas seis provedores internacionais.
Os quatro maiores provedores do Egito foram os primeiros a parar suas atividades após o pedido do governo. Os demais acabaram recebendo o tráfego extra, mas logo se viram sobrecarregados e também sob pressão até que o último provedor, Noor, foi desligado nesta segunda-feira (31). O Noor ligava companhias ocidentais à internet e também a bolsa de valores do país, que agora…

Bruxas e charlatães à solta na pandemia

Muito real e pertinente a reflexão do delegado Jorge B Pontes no artigo denominado: "Bruxas e charlatães à solta na pandemia" que reproduzo abaixo e recomendo a leitura.
Bruxas e charlatães à solta na pandemia
Jorge B Pontes

Quase tão terrível como a própria epidemia do covid-19, está sendo a revelação de que somos um país de bruxos, falsos profetas, curandeiros místicos, videntes apocalípticos e analistas de cenários geopolíticos catastróficos, todos aparentemente fugidos de um manicômio.
O curioso é que, quanto mais apedeutas, quanto menos ilustrados cientificamente, mais opinam essas pessoas. Definitivamente as redes sociais abriram as portas do hospício...
Essa gente desvairada, talvez em razão do ócio do isolamento, brotou de todos os lados na crise, sempre com um celular nas mãos e contas ativas no Facebook e Instagram, disparando - ou repassando frenética e automaticamente - posts estapafúrdios, para centenas de grupos de WhatsApp.
Essa usina de fake news é de fato u…