Pular para o conteúdo principal

As of today, the FBI is working 24/7 to investigate hackers and network attacks


The Federal Bureau of Investigation (FBI) is finally stepping up its game when it comes to hackers. Maybe it was Anonymous that did it or maybe it was statements from the US Secretary of Defense two weeks ago, but either way, the FBI is now hunting hackers 24/7.

You’re not the only one who was under the impression that the FBI was already doing this. Yet only today, the agency announced that it has been working on this new initiative for the past year. Its goal is to “uncover and investigate web-based intrusion attacks and develop a cadre of specially trained computer scientists able to extract hackers’ digital signatures from mountains of malicious code.”

The FBI is forming relationships with the technical leads at financial, business, transportation, and other critical infrastructures, plus it has hired specialists to work at its Cyber Division’s Cyber Watch command. Starting today, investigators in the field can send their findings to the centre, which will be operating 24/7, looking for patterns or similarities in reported cases.

The division’s main focus is now cyber intrusions, working closely with the Bureau’s Counterterrorism and Counterintelligence divisions. More importantly, the FBI-led “National Cyber Investigative Joint Task Force” (NCIJTF), as it’s being called, will share information with partner intelligence and law enforcement agencies, including the Departments of Defense, Homeland Security, and the National Security Agency.

Special Agent Richard McFeely, executive assistant director of the Bureau’s Criminal, Cyber, Response, and Services Branch, explains the NCIJTF is interested in “the attribution piece” of a cyber attack. Once they have that data, they can determine an appropriate response:

The attribution piece is: who is conducting the attack or the exploitation and what is their motive. In order to get to that, we’ve got to do all the necessary analysis to determine who is at the other end of the keyboard perpetrating these actions. We are obviously concerned with terrorists using the Internet to conduct these types of attacks. As the lead domestic intelligence agency within the United States, it’s our job to make sure that businesses’ and the nation’s secrets don’t fall into the hands of adversaries.

Ah, so it was the terrorist angle that did it. I guess that’s what it takes for the FBI to work 24/7 to and take hackers seriously.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Top 10 ameaças de segurança para 2011

Top 10 ameaças de segurança para 2011

 Dos dez principais ameaças de segurança para 2011, alguns deles até mesmo fazer o bem informado e técnicos mentes fracas nos joelhos. Já este ano, a ameaça número um foi identificado. Pela primeira vez na história da internet, os hackers podem comprar uma cópia registrada de um kit de Malware sofisticados para 99,00 dólares, mas mais sobre essa ameaça abaixo. Em nenhuma ordem particular, estes são os outros nove principais ameaças à segurança para 2011:
O Malware Toolkit: Este Kit Malware inclui todas as ferramentas necessárias para criar e atualizar o malware, bem como assumir o controle de um computador host, além de atualizações e-mail e suporte do produto. Por que isso é como a ameaça? Porque não são necessárias habilidades de codificação, os usuários simplesmente precisam dominar as opções do programa clicáveis e são apresentadas com uma web baseada em Linux exploit usando a mais recente tecnologia de botnets, pronto para implantar.
hacker…

Saiba como o Egito se desligou da web, e o que é feito para furar bloqueio

Internet foi criada para sobreviver a ataque nuclear, mas pode ser 'fechada'.
País tem rede pequena e provedores cooperaram com governo. Altieres RohrEspecial para o G1 Alguns telefonemas. É o que especialistas apostam ter sido suficiente para derrubar a internet no Egito. O país tem poucas das chamadas redes autônomas (AS, na sigla em inglês), que são as pequenas redes que, quando conectadas entre si, formam a internet. Existem ainda menos provedores internacionais que conectam o país. Desconectar o Egito, portanto, não foi difícil.
O Egito possui cerca de 3500 redes, mas apenas seis provedores internacionais.
Os quatro maiores provedores do Egito foram os primeiros a parar suas atividades após o pedido do governo. Os demais acabaram recebendo o tráfego extra, mas logo se viram sobrecarregados e também sob pressão até que o último provedor, Noor, foi desligado nesta segunda-feira (31). O Noor ligava companhias ocidentais à internet e também a bolsa de valores do país, que agora…

Lançamento da coleção "Investigação Criminal Tecnológica"

O delegado de polícia Higor Vinicius Nogueira Jorge lançou a coleção "Investigação Criminal Tecnológica", dividida em dois volumes.

O volume 1 aborda alguns procedimentos práticos de investigação criminal tecnológica, incluindo aspectos essenciais sobre infiltração virtual de agentes na rede mundial de computadores, informações sobre Uber, WhatsApp, Facebook, Twitter, Netflix, PayPal, Ebay, OLX, bem como ferramentas para investigação em fontes abertas e modelos de requisição, auto de materialização de evidências eletrônicas, representação de afastamento de sigilo eletrônico e relatório de investigação. 
O volume 2 oferece informações sintéticas sobre inteligência de Estado e Segurança Pública, incluindo informações sobre a história da inteligência no Brasil e no mundo, conceitos relacionados com Inteligência, Contrainteligência, Elemento Operacional, Doutrina Nacional de Inteligência de Segurança Pública, Metodologia da Produção do Conhecimento e Análise de Vínculos, técnic…