terça-feira, 30 de outubro de 2012

Cyber crime no Brasil: algo entre 1,5 e 15 bilhões de reais (Anchises)

Há pouco tempo atrás saíram algumas estatísticas novas sobre o cyber crime no Brasil:
Segundo a Federação Brasileira de Bancos (Febraban) os bancos sofreram prejuízo de R$ 1,5 bilhão em 2011.
Segundo um estudo da Norton (da Symantec), o crime cibernético gerou prejuízos de R$ 15,9 bilhões no Brasil no último ano.
Ninguém precisa ser PHD em matemática, economia ou cyber crime para perceber que há uma pequena diferença entre estes números: as estimativas da Norton são dez vezes maiores do que as da Febraban.

Recentemente eu comentei aqui neste blog sobre um vídeo de uma empresa aonde, aparentemente, o pessoal de marketing tem dificuldade de contar até 10. Mas a explicação sobre o porque desta diferença entre as estatísticas da Febraban e da Norton possivelmente envolve alguns aspectos que eu considero interessantes e que valem a pena ser discutidos:
Qual é a metodologia que cada um adotou para chegar nesta estimativa?
Qual é o interesse em divulgar estes números?
A verdade é que a Febraban e a Norton usam meios diferentes de estimar o valor do prejuízo com o ciber crime e ambas tem interesses totalmente opostos.

Os dados da Febraban foram divulgados na ICCYBER, quando a entidade relatou que os bancos brasileiros sofreram prejuízo de R$ 1,5 bilhão em 2011 com fraudes eletrônicas, um aumento de 60% em relação a 2010. Segundo a Febraban, os prejuízos incluem os serviços bancários via Internet e celular, as transações de call center, e os gastos com cartões de crédito e de débito. Indo um pouquinho mais além, a Febraban disse que as fraudes referentes exclusivamente a Internet e ao "mobile banking" representaram "apenas" R$ 300 milhões.

Segundo alguns colegas que tem contato com a Febraban ou já trabalharam na comissão de fraude cibernética, estes dados são calculados a partir das estimativas de fraude que cada banco reporta a comissão. Aí a Febraban soma todas estas estimativas (cada uma calculada de cada jeito por cada banco) e bota tudo em um grande "saco". Mas a Febraban e os bancos tem interesse em estimular o uso do Internet Banking, para aumentar a automação e diminuir seus custos. Portanto, eles não tem interesse em mostrar números muito alarmantes. Não é a tôa que a Febraban passou alguns anos sem divulgar estas estatísticas, entre 2006 e 2010. OK, R$ 1,5 bilhão (ou melhor, R$ 300 milhões do Internet / Mobile banking) é muito dinheiro, mas a Febraban sempre insiste em reforçar que os bancos tem investido em segurança e que estes números crescem anualmente em uma taxa abaixo do crescimento da quantidade de usuários de Internet Banking.

Já a Norton, uma empresa privada que vende soluções de segurança para usuários finais, tem interesse em mostrar um quadro alarmante para que as pessoas se sintam inseguras online e tenham a necessidade de comprar soluções de segurança para seus computadores. Segundo o estudo da Norton (Norton Cybercrime Report 2012), o crime cibernético gerou prejuízos de R$ 15,9 bilhões no Brasil no último ano, e 28,3 milhões de pessoas foram vítimas deste tipo de crime no país – cada uma perdeu, em média, R$ 562. A Norton chegou a estes dados através de uma pesquisa global na qual foram entrevistados 13 mil adultos com idade entre 18 e 64 anos em 24 países, sendo que a companhia entrevistou 546 pessoas no Brasil.

Peraí... O Brasil tem 54 milhões de pessoas "bancarizadas" (isto é, com contas correntes) e 42 milhões de contas correntes com Internet Banking. E a empresa entrevistou 546 pessoas? Além disto estar super desproporcional, se compararmos os dados da Norton (28,3 milhões de vítimas do cyber crime) com a quantidade de pessoas que usam Internet Banking (42 milhões), isto significaria dizer que mais da metade dos usuários de Internet Banking sofreram prejuízo. Desculpe-me, mas eu acredito que se esta estimativa fosse verdade, nem os bancos nem os clientes iriam querer usar o Internet Banking nunca mais na vida. Metade dos clientes sofrendo fraude assusta qualquer um: cliente e empresa. Seria o caos. 

FebrabanNorton
EstimativaR$ 1,5 bilhãoR$ 15 bilhões
ComoColeta e reúne dados dos bancosEntrevistou 546 pessoas
Interesse
  • Passar a imagem de que o Internet Banking é seguro
  • Estimular o uso do Internet Banking
  • Passar a imagem de que a Internet é perigosa
  • Estimular a venda de soluções de segurança para os usuários finais

Sem querer criticar uma empresa ou outra, o fato é que estatísticas são estimativas, e como tal, possuem uma margem de erro, ou imprecisão. E tal imprecisão é fruto do processo pelo qual as estatísticas foram criadas. E a imprensa, por outro lado, adora estatísticas: elas tornam um assunto complexo mais palpável e mais fácil de noticiar. Mas, muitas vezes, a imprensa sequer questiona os dados que recebe.

Nenhum comentário:

Postar um comentário