Pular para o conteúdo principal

Cyber crime no Brasil: algo entre 1,5 e 15 bilhões de reais (Anchises)

Há pouco tempo atrás saíram algumas estatísticas novas sobre o cyber crime no Brasil:
Segundo a Federação Brasileira de Bancos (Febraban) os bancos sofreram prejuízo de R$ 1,5 bilhão em 2011.
Segundo um estudo da Norton (da Symantec), o crime cibernético gerou prejuízos de R$ 15,9 bilhões no Brasil no último ano.
Ninguém precisa ser PHD em matemática, economia ou cyber crime para perceber que há uma pequena diferença entre estes números: as estimativas da Norton são dez vezes maiores do que as da Febraban.

Recentemente eu comentei aqui neste blog sobre um vídeo de uma empresa aonde, aparentemente, o pessoal de marketing tem dificuldade de contar até 10. Mas a explicação sobre o porque desta diferença entre as estatísticas da Febraban e da Norton possivelmente envolve alguns aspectos que eu considero interessantes e que valem a pena ser discutidos:
Qual é a metodologia que cada um adotou para chegar nesta estimativa?
Qual é o interesse em divulgar estes números?
A verdade é que a Febraban e a Norton usam meios diferentes de estimar o valor do prejuízo com o ciber crime e ambas tem interesses totalmente opostos.

Os dados da Febraban foram divulgados na ICCYBER, quando a entidade relatou que os bancos brasileiros sofreram prejuízo de R$ 1,5 bilhão em 2011 com fraudes eletrônicas, um aumento de 60% em relação a 2010. Segundo a Febraban, os prejuízos incluem os serviços bancários via Internet e celular, as transações de call center, e os gastos com cartões de crédito e de débito. Indo um pouquinho mais além, a Febraban disse que as fraudes referentes exclusivamente a Internet e ao "mobile banking" representaram "apenas" R$ 300 milhões.

Segundo alguns colegas que tem contato com a Febraban ou já trabalharam na comissão de fraude cibernética, estes dados são calculados a partir das estimativas de fraude que cada banco reporta a comissão. Aí a Febraban soma todas estas estimativas (cada uma calculada de cada jeito por cada banco) e bota tudo em um grande "saco". Mas a Febraban e os bancos tem interesse em estimular o uso do Internet Banking, para aumentar a automação e diminuir seus custos. Portanto, eles não tem interesse em mostrar números muito alarmantes. Não é a tôa que a Febraban passou alguns anos sem divulgar estas estatísticas, entre 2006 e 2010. OK, R$ 1,5 bilhão (ou melhor, R$ 300 milhões do Internet / Mobile banking) é muito dinheiro, mas a Febraban sempre insiste em reforçar que os bancos tem investido em segurança e que estes números crescem anualmente em uma taxa abaixo do crescimento da quantidade de usuários de Internet Banking.

Já a Norton, uma empresa privada que vende soluções de segurança para usuários finais, tem interesse em mostrar um quadro alarmante para que as pessoas se sintam inseguras online e tenham a necessidade de comprar soluções de segurança para seus computadores. Segundo o estudo da Norton (Norton Cybercrime Report 2012), o crime cibernético gerou prejuízos de R$ 15,9 bilhões no Brasil no último ano, e 28,3 milhões de pessoas foram vítimas deste tipo de crime no país – cada uma perdeu, em média, R$ 562. A Norton chegou a estes dados através de uma pesquisa global na qual foram entrevistados 13 mil adultos com idade entre 18 e 64 anos em 24 países, sendo que a companhia entrevistou 546 pessoas no Brasil.

Peraí... O Brasil tem 54 milhões de pessoas "bancarizadas" (isto é, com contas correntes) e 42 milhões de contas correntes com Internet Banking. E a empresa entrevistou 546 pessoas? Além disto estar super desproporcional, se compararmos os dados da Norton (28,3 milhões de vítimas do cyber crime) com a quantidade de pessoas que usam Internet Banking (42 milhões), isto significaria dizer que mais da metade dos usuários de Internet Banking sofreram prejuízo. Desculpe-me, mas eu acredito que se esta estimativa fosse verdade, nem os bancos nem os clientes iriam querer usar o Internet Banking nunca mais na vida. Metade dos clientes sofrendo fraude assusta qualquer um: cliente e empresa. Seria o caos. 

FebrabanNorton
EstimativaR$ 1,5 bilhãoR$ 15 bilhões
ComoColeta e reúne dados dos bancosEntrevistou 546 pessoas
Interesse
  • Passar a imagem de que o Internet Banking é seguro
  • Estimular o uso do Internet Banking
  • Passar a imagem de que a Internet é perigosa
  • Estimular a venda de soluções de segurança para os usuários finais

Sem querer criticar uma empresa ou outra, o fato é que estatísticas são estimativas, e como tal, possuem uma margem de erro, ou imprecisão. E tal imprecisão é fruto do processo pelo qual as estatísticas foram criadas. E a imprensa, por outro lado, adora estatísticas: elas tornam um assunto complexo mais palpável e mais fácil de noticiar. Mas, muitas vezes, a imprensa sequer questiona os dados que recebe.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fraude migra de cartão para web

Pagamento: 'Internet banking' responde por 22% dos prejuízos com crimes eletrônicos
Adriana Cotias | De São Paulo "Prezado Cliente,
Por motivos de segurança comunicamos a todos os clientes que, visando barrar o constante aumento de fraudes A Central de Atendimento BB e no Internet Banking BB será obrigatório realizar o Recadastramento da senha de 4 Dígitos. Caso não efetue o recadastramento com urgência, o acesso via Caixas-Eletrônicos, Atendimento por Telefone e Internet-Banking será suspenso. Utilize o link abaixo para efetuar o Recadastramento. Lembre-se, a Caixa Econômica Federal não se responsabilizará por danos sofridos, caso o recadastramento não seja feito. Caixa.gov.br 2011 - Todos os direitos reservados." (sic). É neste mau português que mensagens falsas inundam a caixa postal eletrônica do consumidor brasileiro. Apesar do léxico torto e dos alertas constantes das instituições financeiras - e, neste caso, até da assinatura trocada -, a percepção dos executivos d…

Top 10 ameaças de segurança para 2011

Top 10 ameaças de segurança para 2011

 Dos dez principais ameaças de segurança para 2011, alguns deles até mesmo fazer o bem informado e técnicos mentes fracas nos joelhos. Já este ano, a ameaça número um foi identificado. Pela primeira vez na história da internet, os hackers podem comprar uma cópia registrada de um kit de Malware sofisticados para 99,00 dólares, mas mais sobre essa ameaça abaixo. Em nenhuma ordem particular, estes são os outros nove principais ameaças à segurança para 2011:
O Malware Toolkit: Este Kit Malware inclui todas as ferramentas necessárias para criar e atualizar o malware, bem como assumir o controle de um computador host, além de atualizações e-mail e suporte do produto. Por que isso é como a ameaça? Porque não são necessárias habilidades de codificação, os usuários simplesmente precisam dominar as opções do programa clicáveis e são apresentadas com uma web baseada em Linux exploit usando a mais recente tecnologia de botnets, pronto para implantar.
hacker…