Pular para o conteúdo principal

Crimes cibernéticos são preocupação da Defesa com proximidade de grandes eventos


Ministro disse que é preciso investir em tecnologia e desenvolver estratégias modernas para possíveis ataques

Uma única pessoa é capaz de causar apagões, falta de água e rombos financeiros utilizando apenas um computador. Os chamados crimes cibernéticos são uma preocupação do Ministério da Defesa, principalmente com a proximidade de grandes eventos no país. No Seminário de Defesa Cibernética, o ministro da Defesa, Celso Amorim destacou o investimento em tecnologia, pesquisa e inovação e a capacitação de profissionais para atuação na área como prioridades para a segurança do país.

“O Brasil é a sexta economia do mundo, não pode se privar de meios de defesa modernos, inclusive com relação a possíveis ataques também modernos”, disse o ministro. “Temos que desenvolver essa estratégia de defesa. Já fizemos, na prática, na Rio + 20 e faremos em outros eventos. Vamos evoluir.”

Em setembro deste ano foi inaugurado, oficialmente, o Centro de Defesa Cibernética (CDC) sob comando do Exército, com o objetivo de centralizar conhecimentos e tecnologias já utilizadas por entidades e órgãos como Agência Brasileira de Inteligência (Abin), Comitê Gestor da Internet (CGI), Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) e organizações militares.

Segundo o chefe do CDC, general José Carlos, o Brasil se equipara a países avançados no que diz respeito ao setor. “Dentro dos nossos projetos, estamos preocupados com a capacitação de tropas. Cada vez mais tropas e operações são controlados por redes. E tudo o que depende de redes tem essa ameaça, temos que nos preocupar em defender esse sistema bélico.”

A Defesa Nacional se preocupa também com a produção brasileira de softwares e equipamentos. A primeira operação inteiramente nacional foi realizada na Rio+20. Para a Copa das Confederações, Copa do Mundo e Olimpíadas já estão sendo desenvolvidas novas tecnologias. O destaque, segundo o major Alexandre Lara, integrante do CDC, é para a ferramenta de correlação de eventos, com inteligência artificial para identificar uma invasão no sistema de rede.

Fonte: Agência Brasil

Extraído do site: http://www.correiodopovo.com.br/Noticias/?Noticia=473067

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Top 10 ameaças de segurança para 2011

Top 10 ameaças de segurança para 2011

 Dos dez principais ameaças de segurança para 2011, alguns deles até mesmo fazer o bem informado e técnicos mentes fracas nos joelhos. Já este ano, a ameaça número um foi identificado. Pela primeira vez na história da internet, os hackers podem comprar uma cópia registrada de um kit de Malware sofisticados para 99,00 dólares, mas mais sobre essa ameaça abaixo. Em nenhuma ordem particular, estes são os outros nove principais ameaças à segurança para 2011:
O Malware Toolkit: Este Kit Malware inclui todas as ferramentas necessárias para criar e atualizar o malware, bem como assumir o controle de um computador host, além de atualizações e-mail e suporte do produto. Por que isso é como a ameaça? Porque não são necessárias habilidades de codificação, os usuários simplesmente precisam dominar as opções do programa clicáveis e são apresentadas com uma web baseada em Linux exploit usando a mais recente tecnologia de botnets, pronto para implantar.
hacker…

Saiba como o Egito se desligou da web, e o que é feito para furar bloqueio

Internet foi criada para sobreviver a ataque nuclear, mas pode ser 'fechada'.
País tem rede pequena e provedores cooperaram com governo. Altieres RohrEspecial para o G1 Alguns telefonemas. É o que especialistas apostam ter sido suficiente para derrubar a internet no Egito. O país tem poucas das chamadas redes autônomas (AS, na sigla em inglês), que são as pequenas redes que, quando conectadas entre si, formam a internet. Existem ainda menos provedores internacionais que conectam o país. Desconectar o Egito, portanto, não foi difícil.
O Egito possui cerca de 3500 redes, mas apenas seis provedores internacionais.
Os quatro maiores provedores do Egito foram os primeiros a parar suas atividades após o pedido do governo. Os demais acabaram recebendo o tráfego extra, mas logo se viram sobrecarregados e também sob pressão até que o último provedor, Noor, foi desligado nesta segunda-feira (31). O Noor ligava companhias ocidentais à internet e também a bolsa de valores do país, que agora…

Bruxas e charlatães à solta na pandemia

Muito real e pertinente a reflexão do delegado Jorge B Pontes no artigo denominado: "Bruxas e charlatães à solta na pandemia" que reproduzo abaixo e recomendo a leitura.
Bruxas e charlatães à solta na pandemia
Jorge B Pontes

Quase tão terrível como a própria epidemia do covid-19, está sendo a revelação de que somos um país de bruxos, falsos profetas, curandeiros místicos, videntes apocalípticos e analistas de cenários geopolíticos catastróficos, todos aparentemente fugidos de um manicômio.
O curioso é que, quanto mais apedeutas, quanto menos ilustrados cientificamente, mais opinam essas pessoas. Definitivamente as redes sociais abriram as portas do hospício...
Essa gente desvairada, talvez em razão do ócio do isolamento, brotou de todos os lados na crise, sempre com um celular nas mãos e contas ativas no Facebook e Instagram, disparando - ou repassando frenética e automaticamente - posts estapafúrdios, para centenas de grupos de WhatsApp.
Essa usina de fake news é de fato u…