Pular para o conteúdo principal

Segurança: Perdas com fraude eletrônica devem diminuir 7%, diz Febraban




SÃO PAULO, SP, 2 de dezembro (Folhapress) - As perdas dos bancos brasileiros causadas por fraudes eletrônicas devem chegar a R$ 1,4 bilhão até o fim do ano, montante 6,7% menor do que o registrado em 2011, quando os prejuízos somaram R$ 1,5 bilhão, segundo estimativas de César Faustino, coordenador da subcomissão de prevenção a fraudes eletrônicas da Febraban (Federação Brasileira de Bancos).

Na avaliação de Marcelo Câmara, diretor setorial de prevenção a fraudes da Febraban, a queda é motivo de "comemoração", pois ocorre concomitantemente com o aumento de 59% no número de contas e de 168% na quantidade de operações bancárias, em um intervalo de seis anos.

Segundo dados da pesquisa "Ciab Febraban - Setor Bancário em Números", os gastos com tecnologia da informação atingiram R$ 18 bilhões em 2011, volume 27% maior que o registrado em 2009. Desse total, 10% foram destinados à prevenção de fraudes eletrônicas.

"Quaisquer anormalidades podem gerar alertas, que vão desde um simples contato feito pela agência até a paralisação da transação", explica Faustino.

Principais fraudes

Entre as estratégias utilizadas pelos golpistas na internet, a principal é a de envio de "trojans", que se instalam no computador do consumidor e roubam seus dados pessoais.

Essa modalidade de fraude, contudo, vem perdendo espaço para o "pishing", que são mensagens instantâneas, e-mails e SMS que visam roubar os dados da vítima, e o "pharming", direcionamento para páginas falsas na internet que simulam os canais oficias de empresas ou bancos e extraem informações do usuário.

Para se proteger dos golpes, a Febraban aconselha o usuário a conhecer bem o site do banco, manter o sistema operacional, o navegador e o antivírus atualizados, não abrir arquivos de origem duvidosa e não passar a senha bancária a ninguém por telefone, e-mail e SMS.
Extraído do site: http://www.jornalacidade.com.br/editorias/economia/2012/12/02/bancos-seguranca-perdas-com-fraude-eletronica-devem-diminuir-7-diz-febraban.html

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Palavra de Especialista com Delegado Higor Jorge

Hoje, às 19:00, no programa de estreia "Palavra de Especialista", o diretor da ADPESP Rodrigo Lacordia recebe o delegado de Polícia, professor e palestrante Dr. Higor Vinícius Nogueira Jorge para um bate-papo sobre crimes cibernéticos, além de dicas e informações sobre direito e tecnologia. Assistam a entrevista em: https://youtu.be/p9FF98siWvg e também no Spotify.

Obra com comentários sobre mais de 70 leis criminais tem valor promocional para associados ADPESP - Associação dos Delegados de Polícia do Estado de São Paulo

  A editora Juspodivm lançou a obra “Legislação Criminal Especial Comentada” elaborada por 24 delegados de polícia de todo o país, sendo 14 do estado de São Paulo. A coordenação é dos delegados Higor Vinicius Nogueira Jorge, de São Paulo, Joaquim Leitão Júnior, de Mato Grosso e William Garcez, do Rio Grande do Sul. O livro oferece comentários doutrinários e jurisprudenciais de forma objetiva, sobre mais de 70 leis criminais. Associados ADPESP podem comprar o lançamento com valor especial,  direto no site da editora Juspodivm. O cupom é válido até as 23:59 do dia 21 de maio . Para aproveitar o desconto, utilize o cupom ADPESP. A obra tem chamado a atenção do meio jurídico, sendo escrita pelos seguintes delegados e delegadas de polícia: – Antônio Flávio Rocha Freire – Bruno Fontenele Cabral – Everson Aparecido Contelli – Gabriela Madrid Aquino – Higor Vinicius Nogueira Jorge – Jakelline Costa Barros dos Santos – Joaquim Leitão Júnior – João Paulo Firpo Fontes – Joerberth Pinto Nunes – Kl

Publicado o livro “Direito Penal sob a perspectiva da investigação criminal tecnológica”

POR QUE COMPRAR O LIVRO: DIREITO PENAL SOB A PERSPECTIVA DA INVESTIGAÇÃO CRIMINAL TECNOLÓGICA? O mundo fenomênico sofre, constantemente, influência da tecnologia em sua evolução e no seu aperfeiçoamento. Logo, esse fenômeno repercute, também, no âmbito criminal, visto que os delitos atuais contam com um componente que evolui a cada minuto, qual seja, o tecnológico (informático, inclusive). Assim, os conceitos de vestígio e o de corpo de delito ampliaram-se. Tal fato exige dos investigadores preparação e atualização constantes, visto que o criminoso, no atual estágio, pode voltar ao local do crime até mesmo virtualmente para prejudicar a obtenção de sinais que, em geral, não são mais observáveis de plano ou percebidos materialmente, no sentido tradicional. Trata-se de um desafio e a forma de enfrentá-lo tem na capacitação o suporte necessário. Para tanto, a presente obra, coordenada pelo jovem e competente Delegado de Polícia Higor Vinicius Nogueira Jorge, viabiliza a obte