Pular para o conteúdo principal

Crimes virtuais preocupam América Latina


Segundo o jornal Folha de S. Paulo, um estudo inédito elaborado a pedido da Organização dos Estados Americanos (OEA) expôs a vulnerabilidade da América Latina a crimes cibernéticos. O estudo, feito pela consultoria Trend Micro, apontou o aumento do número de ataques e dos tipos de ameaças, que vão desde crimes financeiros até ofensivas com motivação política, como por exemplo, o “hacktivismo”. Paul Rosenzweig, formulador de estratégia de proteção eletrônica do Departamento de Segurança dos EUA, apontou que “governos e empresas da América Latina ainda veem cibersegurança como um ‘custo desnecessário’, principalmente por se tratar de uma região onde a possibilidade de uma guerra entre Estados, com o uso de ataques online, é remota”. O Brasil, que não participou do estudo, é um dos alvos mais frequentes de crimes virtuais. Segundo o pesquisador do Council on Foreign Relations, Adam Segal, convidado pelo governo federal para discutir segurança virtual com militares, “o governo brasileiro está empenhado, mas ainda é o começo de um longo caminho”. O Brasil está se preparando para evitar ataques cibernéticos durante grandes eventos, como a Copa do Mundo (2014) e Olimpíadas (2016). Os sistemas informáticos desses eventos serão monitorados pelo Centro de Defesa Cibernética do Exército. O general José Carlos dos Santos afirmou que o Brasil está tão pronto quanto a Grã-Bretanha esteve para as Olimpíadas de Londres em termos de segurança virtual e afirmou que o risco de ciberataque é baixo. Em coluna especial para o Estado, a pesquisadora Johanna Mendelson Forman afirmou que os latino-americanos chegaram tarde à questão da cibersegurança. Apesar de países como Brasil e Colômbia montarem operações de defesa cibernética em suas Forças Armadas, a capacidade de defesa hemisférica está longe de ser concretizada. Segundo a pesquisadora “cada país deve investir no treinamento de uma nova geração de combatentes em prol da segurança cibernética, capazes de defender o seu país contra as crescentes ameaças às redes nacionais computadorizadas”. Forman ainda argumentou que é preciso criar formas de regulação regional para os crimes cibernéticos, pois a falta de leis comuns ou definições de crimes cibernéticos dificultam o trabalho das forças de segurança. (O Estado de S. Paulo – Internacional – 19/05/13)

http://observatoriodedefesa.blogspot.com.br/2013/06/crimes-virtuais-preocupam-america-latina.html

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Palestra sobre inteligência estratégica no enfrentamento dos crimes cibernéticos na ADESG de Campinas

Top 10 ameaças de segurança para 2011

Top 10 ameaças de segurança para 2011

 Dos dez principais ameaças de segurança para 2011, alguns deles até mesmo fazer o bem informado e técnicos mentes fracas nos joelhos. Já este ano, a ameaça número um foi identificado. Pela primeira vez na história da internet, os hackers podem comprar uma cópia registrada de um kit de Malware sofisticados para 99,00 dólares, mas mais sobre essa ameaça abaixo. Em nenhuma ordem particular, estes são os outros nove principais ameaças à segurança para 2011:
O Malware Toolkit: Este Kit Malware inclui todas as ferramentas necessárias para criar e atualizar o malware, bem como assumir o controle de um computador host, além de atualizações e-mail e suporte do produto. Por que isso é como a ameaça? Porque não são necessárias habilidades de codificação, os usuários simplesmente precisam dominar as opções do programa clicáveis e são apresentadas com uma web baseada em Linux exploit usando a mais recente tecnologia de botnets, pronto para implantar.
hacker…

Higor Jorge na Wikipedia

 Higor Vinicius Nogueira Jorge (Santana da Ponte Pensa-SP, 28 de agosto de 1980) é Delegado de Polícia da Polícia Civil do Estado de São Paulo; membro da Associação Internacional de Investigação de Crimes de Alta Tecnologia (HTCIA); professor dos cursos de formação e aperfeiçoamento da Academia de Polícia do Estado de São Paulo e do Estado de Sergipe; professor de inteligência cibernética da Secretaria Nacional de Segurança Pública (SENASP) do Ministério da Justiça; palestrante do curso de inteligência estratégica da Associação dos Diplomados da Escola Superior de Guerra – representação de Campinas; titular da cadeira 30 da Academia de Ciências, Artes e Letras dos Delegados de Polícia do Estado de São Paulo; membro consultor da Comissão de Direito Eletrônico e Crimes de Alta Tecnologia e da Comissão de Ciência e Tecnologia da OAB-SP; diretor do Sindicato dos Delegados de Polícia do Estado de São Paulo (2011/2013 e 2014/2016) e presidente do Conselho de Ética da Associação dos Delegado…