Pular para o conteúdo principal

Crimes virtuais preocupam América Latina


Segundo o jornal Folha de S. Paulo, um estudo inédito elaborado a pedido da Organização dos Estados Americanos (OEA) expôs a vulnerabilidade da América Latina a crimes cibernéticos. O estudo, feito pela consultoria Trend Micro, apontou o aumento do número de ataques e dos tipos de ameaças, que vão desde crimes financeiros até ofensivas com motivação política, como por exemplo, o “hacktivismo”. Paul Rosenzweig, formulador de estratégia de proteção eletrônica do Departamento de Segurança dos EUA, apontou que “governos e empresas da América Latina ainda veem cibersegurança como um ‘custo desnecessário’, principalmente por se tratar de uma região onde a possibilidade de uma guerra entre Estados, com o uso de ataques online, é remota”. O Brasil, que não participou do estudo, é um dos alvos mais frequentes de crimes virtuais. Segundo o pesquisador do Council on Foreign Relations, Adam Segal, convidado pelo governo federal para discutir segurança virtual com militares, “o governo brasileiro está empenhado, mas ainda é o começo de um longo caminho”. O Brasil está se preparando para evitar ataques cibernéticos durante grandes eventos, como a Copa do Mundo (2014) e Olimpíadas (2016). Os sistemas informáticos desses eventos serão monitorados pelo Centro de Defesa Cibernética do Exército. O general José Carlos dos Santos afirmou que o Brasil está tão pronto quanto a Grã-Bretanha esteve para as Olimpíadas de Londres em termos de segurança virtual e afirmou que o risco de ciberataque é baixo. Em coluna especial para o Estado, a pesquisadora Johanna Mendelson Forman afirmou que os latino-americanos chegaram tarde à questão da cibersegurança. Apesar de países como Brasil e Colômbia montarem operações de defesa cibernética em suas Forças Armadas, a capacidade de defesa hemisférica está longe de ser concretizada. Segundo a pesquisadora “cada país deve investir no treinamento de uma nova geração de combatentes em prol da segurança cibernética, capazes de defender o seu país contra as crescentes ameaças às redes nacionais computadorizadas”. Forman ainda argumentou que é preciso criar formas de regulação regional para os crimes cibernéticos, pois a falta de leis comuns ou definições de crimes cibernéticos dificultam o trabalho das forças de segurança. (O Estado de S. Paulo – Internacional – 19/05/13)

http://observatoriodedefesa.blogspot.com.br/2013/06/crimes-virtuais-preocupam-america-latina.html

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Top 10 ameaças de segurança para 2011

Top 10 ameaças de segurança para 2011

 Dos dez principais ameaças de segurança para 2011, alguns deles até mesmo fazer o bem informado e técnicos mentes fracas nos joelhos. Já este ano, a ameaça número um foi identificado. Pela primeira vez na história da internet, os hackers podem comprar uma cópia registrada de um kit de Malware sofisticados para 99,00 dólares, mas mais sobre essa ameaça abaixo. Em nenhuma ordem particular, estes são os outros nove principais ameaças à segurança para 2011:
O Malware Toolkit: Este Kit Malware inclui todas as ferramentas necessárias para criar e atualizar o malware, bem como assumir o controle de um computador host, além de atualizações e-mail e suporte do produto. Por que isso é como a ameaça? Porque não são necessárias habilidades de codificação, os usuários simplesmente precisam dominar as opções do programa clicáveis e são apresentadas com uma web baseada em Linux exploit usando a mais recente tecnologia de botnets, pronto para implantar.
hacker…

Saiba como o Egito se desligou da web, e o que é feito para furar bloqueio

Internet foi criada para sobreviver a ataque nuclear, mas pode ser 'fechada'.
País tem rede pequena e provedores cooperaram com governo. Altieres RohrEspecial para o G1 Alguns telefonemas. É o que especialistas apostam ter sido suficiente para derrubar a internet no Egito. O país tem poucas das chamadas redes autônomas (AS, na sigla em inglês), que são as pequenas redes que, quando conectadas entre si, formam a internet. Existem ainda menos provedores internacionais que conectam o país. Desconectar o Egito, portanto, não foi difícil.
O Egito possui cerca de 3500 redes, mas apenas seis provedores internacionais.
Os quatro maiores provedores do Egito foram os primeiros a parar suas atividades após o pedido do governo. Os demais acabaram recebendo o tráfego extra, mas logo se viram sobrecarregados e também sob pressão até que o último provedor, Noor, foi desligado nesta segunda-feira (31). O Noor ligava companhias ocidentais à internet e também a bolsa de valores do país, que agora…

Lançamento da coleção "Investigação Criminal Tecnológica"

O delegado de polícia Higor Vinicius Nogueira Jorge lançou a coleção "Investigação Criminal Tecnológica", dividida em dois volumes.

O volume 1 aborda alguns procedimentos práticos de investigação criminal tecnológica, incluindo aspectos essenciais sobre infiltração virtual de agentes na rede mundial de computadores, informações sobre Uber, WhatsApp, Facebook, Twitter, Netflix, PayPal, Ebay, OLX, bem como ferramentas para investigação em fontes abertas e modelos de requisição, auto de materialização de evidências eletrônicas, representação de afastamento de sigilo eletrônico e relatório de investigação. 
O volume 2 oferece informações sintéticas sobre inteligência de Estado e Segurança Pública, incluindo informações sobre a história da inteligência no Brasil e no mundo, conceitos relacionados com Inteligência, Contrainteligência, Elemento Operacional, Doutrina Nacional de Inteligência de Segurança Pública, Metodologia da Produção do Conhecimento e Análise de Vínculos, técnic…