Pular para o conteúdo principal

Para advogado, lei que trata de crimes cibernéticos chega com defasagem

Juliana Pronunciati

No mês de abril, a atriz Glória Pires sofreu um golpe online e perdeu R$ 13 mil ao depositar o valor na conta de um golpista após receber um e-mail de um amigo que dizia estar em apuros no exterior. Dias depois, ela descobriu que o amigo que lhe pediu o “empréstimo” por e-mail teve a conta de e-mail hackeada e usada por um terceiro.

Em abril, a atriz Glória Pires foi vítima de um golpe pela internet
Apesar de a Lei 12.737/2012, conhecida como Lei Carolina Dieckmann, que tipifica criminalmente delitos cometidos pela internet, ter entrado em vigor em abril, o golpe pela web sofrido pela atriz não está previsto na legislação, o que faz com que o caso tenha que ser julgado por analogia, com base no artigo 171, do Código Penal, que trata do estelionato. De acordo com o advogado Marcus Reis, por a internet ser mais veloz que as atividades do Poder Legislativo, responsável por criar e aprovar as leis no país, a nova legislação chega defasada em alguns aspectos, como no caso do crime de estelionato, cuja prática pela internet não está prevista. “Existem outros problemas já na web que não foram abordadas pela lei. Está defasada. Essa lei foi proposta em 2011, deve ter sido discutida em 2009 ou antes e, ao ser aprovada, em 2012, quando se fala em internet, ela deixa algumas coisas para trás”, disse.

De acordo com o advogado, alterar o Código Penal, como fez a Lei Carolina Dieckmann, não é uma tarefa fácil e requer cuidados, pois os artigos previstos nessa legislação devem ser objetivos e não dar margem à interpretação. “Isso restringe muito a amplitude e a abrangência dessa lei. Ela tinha que ser muito mais ampla e específica. Por ter modificado o Código Penal, ela vem com muita força, mas é uma força limitada a essa modificação”, afirmou. Por isso, para Reis, essa defasagem não chega a ser uma falha, pois as modificações no Código Penal devem obedecer a um processo criterioso para que não sejam cometidos erros. “É difícil falar em falha em um universo tão veloz. Nosso legislador tem que entender que não pode sair aprovando lei sem discussão”, disse.

Crimes não previstos devem ser julgados por analogia

Segundo advogado, crimes não previstos na lei devem ser julgados por analogia
O advogado Marcus Reis afirma que os crimes praticados pela internet que não foram tipificados pela Lei Carolina Dieckmann continuam sendo julgados por analogia a outras leis, conforme era feito com os delitos cibernéticos cometidos anteriormente à legislação. Mas, de acordo com o jurista, não ter uma lei específica torna a defesa de um criminoso mais fácil e ampla. “Só podem ser punidos crimes que constem de legislação específica. Caso contrário, o réu tem que ser considerado inocente. Ou o crime está na lei ou não é crime. O advogado segue nessa defesa e consegue êxito”, disse.

Para o advogado, a aprovação da Lei Carolina Dieckmann, nesse sentido, representa um avanço para o país, pois, até então, não havia na legislação penal nenhuma previsão que dava aos juízes e à sociedade em geral um norte sobre o que era e o que não era considerado crime cibernético. “Até então não existia um tipo penal, um artigo que especificava como crime determinada conduta. Os julgadores tinham que fazer adaptações. Era enfraquecedor, pois o amplo direito de defesa é concedido a qualquer cidadão constitucionalmente. Até que haja uma sentença transitada em julgado, ou seja, quando não há mais possibilidade de apelação, essa pessoa não pode ser considerada criminosa. Até lá ela pode se defender do jeito que ela puder”, afirmou.

Penas podem ser agravadas se crime for contra agente público

A lei 12.737/2012, que acrescentou os artigos 154-A e 154-B ao Código Penal Brasileiro, tipificando criminalmente delitos pela web, prevê penas de detenção, reclusão e multa aos criminosos, dependendo da conduta praticada. O parágrafo 5º do artigo 154-A traz ainda um agravante para as penas, que serão acrescidas de um terço à metade, caso os crimes sejam cometidos contra o Presidente da República, governadores e prefeitos, Presidente do Supremo Tribunal Federal, Presidente da Câmara dos Deputados, do Senado Federal, de Assembleia Legislativa de Estado, da Câmara Legislativa dos Distrito Federal ou de Câmara de Vereadores ou dirigente máximo da administração direta e indireta federal, estadual, municipal ou do Distrito Federal.

http://www.correiodeuberlandia.com.br/cidade-e-regiao/para-advogado-lei-que-trata-de-crimes-ciberneticos-chega-com-defasagem/

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Palavra de Especialista com Delegado Higor Jorge

Hoje, às 19:00, no programa de estreia "Palavra de Especialista", o diretor da ADPESP Rodrigo Lacordia recebe o delegado de Polícia, professor e palestrante Dr. Higor Vinícius Nogueira Jorge para um bate-papo sobre crimes cibernéticos, além de dicas e informações sobre direito e tecnologia. Assistam a entrevista em: https://youtu.be/p9FF98siWvg e também no Spotify.

Obra com comentários sobre mais de 70 leis criminais tem valor promocional para associados ADPESP - Associação dos Delegados de Polícia do Estado de São Paulo

  A editora Juspodivm lançou a obra “Legislação Criminal Especial Comentada” elaborada por 24 delegados de polícia de todo o país, sendo 14 do estado de São Paulo. A coordenação é dos delegados Higor Vinicius Nogueira Jorge, de São Paulo, Joaquim Leitão Júnior, de Mato Grosso e William Garcez, do Rio Grande do Sul. O livro oferece comentários doutrinários e jurisprudenciais de forma objetiva, sobre mais de 70 leis criminais. Associados ADPESP podem comprar o lançamento com valor especial,  direto no site da editora Juspodivm. O cupom é válido até as 23:59 do dia 21 de maio . Para aproveitar o desconto, utilize o cupom ADPESP. A obra tem chamado a atenção do meio jurídico, sendo escrita pelos seguintes delegados e delegadas de polícia: – Antônio Flávio Rocha Freire – Bruno Fontenele Cabral – Everson Aparecido Contelli – Gabriela Madrid Aquino – Higor Vinicius Nogueira Jorge – Jakelline Costa Barros dos Santos – Joaquim Leitão Júnior – João Paulo Firpo Fontes – Joerberth Pinto Nunes – Kl

Publicado o livro “Direito Penal sob a perspectiva da investigação criminal tecnológica”

POR QUE COMPRAR O LIVRO: DIREITO PENAL SOB A PERSPECTIVA DA INVESTIGAÇÃO CRIMINAL TECNOLÓGICA? O mundo fenomênico sofre, constantemente, influência da tecnologia em sua evolução e no seu aperfeiçoamento. Logo, esse fenômeno repercute, também, no âmbito criminal, visto que os delitos atuais contam com um componente que evolui a cada minuto, qual seja, o tecnológico (informático, inclusive). Assim, os conceitos de vestígio e o de corpo de delito ampliaram-se. Tal fato exige dos investigadores preparação e atualização constantes, visto que o criminoso, no atual estágio, pode voltar ao local do crime até mesmo virtualmente para prejudicar a obtenção de sinais que, em geral, não são mais observáveis de plano ou percebidos materialmente, no sentido tradicional. Trata-se de um desafio e a forma de enfrentá-lo tem na capacitação o suporte necessário. Para tanto, a presente obra, coordenada pelo jovem e competente Delegado de Polícia Higor Vinicius Nogueira Jorge, viabiliza a obte