Pular para o conteúdo principal

Pentágono revê regras de intervenção contra crimes cibernéticos

France Presse

WASHINGTON, 27 Jun 2013 (AFP) - As Forças Armadas dos Estados Unidos estão revendo suas 'regras de intervenção' para enfrentar a crescente ameaça dos ataques cibernéticos, disse nesta quinta-feira o chefe do Estado-Maior Conjunto, general Martin Dempsey.
'O Departamento da Defesa desenvolve procedimentos de emergência para guiar nossa resposta frente às ameaças cibernéticas iminentes e importantes', afirmou Dempsey, em discurso na Brookings Institution, um centro de estudos e pesquisas com sede em Washington.
Dempsey, o oficial americano de mais alto escalão, explicou que a decisão foi tomada em resposta ao aumento dos ataques virtuais.
'Estamos atualizando nossas regras de intervenção no âmbito da cibernética, pela primeira vez em sete anos', acrescentou, ressaltando que, desde que assumiu o cargo em 2012, 'as invasões nas nossas infraestruturas críticas aumentaram 17 vezes'.
Nos próximos quatro anos, as Forças Armadas pretendem incorporar cerca de 4.000 especialistas de segurança cibernética e destinar pelo menos US$ 23 milhões à cibersegurança.
O general Dempsey disse que o Cybercom, o comando americano responsável pela luta contra o crime cibernético, estará agora organizado em três divisões: uma contra os ataques inimigos; outra, para dar apoio regional; e uma terceira para proteger cerca de 15 mil redes informáticas militares americanas.
Além disso, após uma ordem executiva presidencial, as Forças Armadas, que até então não tinham a responsabilidade de garantir a segurança das redes militares ('.mil'), têm agora um 'manual' que lhes permite colaborar com o Departamento de Segurança Nacional e o FBI, no caso de ataques às redes civis ('.com', ou '.gov'), explicou Dempsey.
Em sua intervenção, Dempsey lamentou o que considerou uma falta de garantias suficientes por parte do setor privado. 'Poucas empresas investiram adequadamente em segurança cibernética', lamentou.
A respeito das preocupações com os níveis de vigilância do governo sobre os cidadãos, após os vazamentos por parte do ex-analista de inteligência da Agência de Segurança Nacional (NSA, na sigla em inglês), Edward Snowden, Dempsey afirmou que é possível alcançar um equilíbrio.
'Entendo que o país esteja debatendo o fim adequado e os limites de coletar dados de inteligência em prol da segurança nacional', completou.
'Permitam-me ser claro: são duas coisas diferentes. Uma é coletar dados de inteligência para localizar terroristas estrangeiros e seus cúmplices locais. Outra é compartilhar informação sobre softwares maliciosos para proteger nossa infraestrutura crítica de um tipo de ataque diferente'.
mra/tt/dm

http://g1.globo.com/mundo/noticia/2013/06/pentagono-reve-regras-de-intervencao-contra-crimes-ciberneticos.html

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Palavra de Especialista com Delegado Higor Jorge

Hoje, às 19:00, no programa de estreia "Palavra de Especialista", o diretor da ADPESP Rodrigo Lacordia recebe o delegado de Polícia, professor e palestrante Dr. Higor Vinícius Nogueira Jorge para um bate-papo sobre crimes cibernéticos, além de dicas e informações sobre direito e tecnologia. Assistam a entrevista em: https://youtu.be/p9FF98siWvg e também no Spotify.

Obra com comentários sobre mais de 70 leis criminais tem valor promocional para associados ADPESP - Associação dos Delegados de Polícia do Estado de São Paulo

  A editora Juspodivm lançou a obra “Legislação Criminal Especial Comentada” elaborada por 24 delegados de polícia de todo o país, sendo 14 do estado de São Paulo. A coordenação é dos delegados Higor Vinicius Nogueira Jorge, de São Paulo, Joaquim Leitão Júnior, de Mato Grosso e William Garcez, do Rio Grande do Sul. O livro oferece comentários doutrinários e jurisprudenciais de forma objetiva, sobre mais de 70 leis criminais. Associados ADPESP podem comprar o lançamento com valor especial,  direto no site da editora Juspodivm. O cupom é válido até as 23:59 do dia 21 de maio . Para aproveitar o desconto, utilize o cupom ADPESP. A obra tem chamado a atenção do meio jurídico, sendo escrita pelos seguintes delegados e delegadas de polícia: – Antônio Flávio Rocha Freire – Bruno Fontenele Cabral – Everson Aparecido Contelli – Gabriela Madrid Aquino – Higor Vinicius Nogueira Jorge – Jakelline Costa Barros dos Santos – Joaquim Leitão Júnior – João Paulo Firpo Fontes – Joerberth Pinto Nunes – Kl

Publicado o livro “Direito Penal sob a perspectiva da investigação criminal tecnológica”

POR QUE COMPRAR O LIVRO: DIREITO PENAL SOB A PERSPECTIVA DA INVESTIGAÇÃO CRIMINAL TECNOLÓGICA? O mundo fenomênico sofre, constantemente, influência da tecnologia em sua evolução e no seu aperfeiçoamento. Logo, esse fenômeno repercute, também, no âmbito criminal, visto que os delitos atuais contam com um componente que evolui a cada minuto, qual seja, o tecnológico (informático, inclusive). Assim, os conceitos de vestígio e o de corpo de delito ampliaram-se. Tal fato exige dos investigadores preparação e atualização constantes, visto que o criminoso, no atual estágio, pode voltar ao local do crime até mesmo virtualmente para prejudicar a obtenção de sinais que, em geral, não são mais observáveis de plano ou percebidos materialmente, no sentido tradicional. Trata-se de um desafio e a forma de enfrentá-lo tem na capacitação o suporte necessário. Para tanto, a presente obra, coordenada pelo jovem e competente Delegado de Polícia Higor Vinicius Nogueira Jorge, viabiliza a obte