Pular para o conteúdo principal

Profusão de senhas faz segurança virtual movimentar bilhões

SHEILA D'AMORIM
FLÁVIA FOREQUE
DE BRASÍLIA

À medida que a informatização ocupa espaço no dia a dia das pessoas, cresce também a quantidade de senhas para administrar.

E, se os crimes cibernéticos impulsionam essa ditadura das senhas, eles também são responsáveis por estimular uma indústria que investe bilhões para garantir a segurança das informações.

Banco do Brasil quer fim de senha no caixa em cinco anos

Apenas no setor bancário no Brasil, onde estão dados considerados mais sensíveis, os investimentos em segurança foram de R$ 2 bilhões em 2012.

Em 2008, segundo pesquisa realizada pela Febraban, foi cerca de R$ 1,2 bilhão. E com o avanço do uso de smartphones como meio de pagamento, o mercado se torna ainda mais promissor.

Para ter ideia, o Banco do Brasil, maior instituição financeira de varejo do país, tem cadastrados apenas 1 milhão de smartphones, pouco mais de 2% da base de clientes, que contabiliza 38 milhões de contas correntes.

E a cada novo canal que surge no mundo virtual, uma nova senha vem junto. Em média, segundo consultorias especializadas, o brasileiro tem cinco senhas. Mas esse número pode facilmente triplicar a depender do nível de interação com a internet.

editoria de Arte/Folhapress

MUNDO VIRTUAL

Além de bancos, emails e redes sociais, quem faz compras online acumula mais senhas. O uso de aplicativos como Skype, para videoconferência com amigos e parentes, também representa mais uma senha na lista.

A advogada Cíntia Ternes, 44, tem até aplicativo (acessado por meio de senha) em que guarda as 20 senhas que precisa administrar.

"É de enlouquecer. Tenho raiva disso", reclama a aposentada Marlene Santos, 67. Para administrar 12 senhas diz que anota tudo num caderninho. "Mesmo assim, acabei bloqueando vários cartões".

SEGURANÇA

Assim, a necessidade de segurança das bases de dados ganha importância.

"A segurança já é um aspecto do negócio. Hoje tudo está na internet e todos estão preocupados com isso", argumenta Carlos Pádua, vice-presidente de desenvolvimento e tecnologia da Diebold Brasil, uma das maiores empresas de automação bancária.

Segundo ele, há uma década, a parte de segurança correspondia a 2% do valor final de um produto nessa área. "Agora, é cerca de 20%."

Com o uso cada vez maior da internet e o surgimento dos mercados virtuais, aumenta exponencialmente o volume de informações digitais com o qual as empresas precisam lidar.

Em busca de espaço e segurança, surgem alternativas como a computação em nuvem, ainda tímida no Brasil. A estimativa, segundo Ivan Semkovski, da empresa de tecnologia Globalweb, é de que até 2015, 10% dos produtos de segurança de informação corporativa estejam disponibilizados na nuvem --hoje, é cerca de metade disso.

Ele afirma que o investimento mundial nessa área será de US$ 4 bilhões nos próximos três anos.

"As informações estão ficando cada vez mais complexas: num site de compra a pessoa quer ver a imagem do produto em 3D, ver opiniões de quem comprou. Um único produto tem um tráfego grande de informações que as empresas estão mandando para nuvem", explica.

http://www1.folha.uol.com.br/mercado/2013/06/1298065-profusao-de-senhas-faz-seguranca-virtual-movimentar-bilhoes.shtml

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Palavra de Especialista com Delegado Higor Jorge

Hoje, às 19:00, no programa de estreia "Palavra de Especialista", o diretor da ADPESP Rodrigo Lacordia recebe o delegado de Polícia, professor e palestrante Dr. Higor Vinícius Nogueira Jorge para um bate-papo sobre crimes cibernéticos, além de dicas e informações sobre direito e tecnologia. Assistam a entrevista em: https://youtu.be/p9FF98siWvg e também no Spotify.

Obra com comentários sobre mais de 70 leis criminais tem valor promocional para associados ADPESP - Associação dos Delegados de Polícia do Estado de São Paulo

  A editora Juspodivm lançou a obra “Legislação Criminal Especial Comentada” elaborada por 24 delegados de polícia de todo o país, sendo 14 do estado de São Paulo. A coordenação é dos delegados Higor Vinicius Nogueira Jorge, de São Paulo, Joaquim Leitão Júnior, de Mato Grosso e William Garcez, do Rio Grande do Sul. O livro oferece comentários doutrinários e jurisprudenciais de forma objetiva, sobre mais de 70 leis criminais. Associados ADPESP podem comprar o lançamento com valor especial,  direto no site da editora Juspodivm. O cupom é válido até as 23:59 do dia 21 de maio . Para aproveitar o desconto, utilize o cupom ADPESP. A obra tem chamado a atenção do meio jurídico, sendo escrita pelos seguintes delegados e delegadas de polícia: – Antônio Flávio Rocha Freire – Bruno Fontenele Cabral – Everson Aparecido Contelli – Gabriela Madrid Aquino – Higor Vinicius Nogueira Jorge – Jakelline Costa Barros dos Santos – Joaquim Leitão Júnior – João Paulo Firpo Fontes – Joerberth Pinto Nunes – Kl

Publicado o livro “Direito Penal sob a perspectiva da investigação criminal tecnológica”

POR QUE COMPRAR O LIVRO: DIREITO PENAL SOB A PERSPECTIVA DA INVESTIGAÇÃO CRIMINAL TECNOLÓGICA? O mundo fenomênico sofre, constantemente, influência da tecnologia em sua evolução e no seu aperfeiçoamento. Logo, esse fenômeno repercute, também, no âmbito criminal, visto que os delitos atuais contam com um componente que evolui a cada minuto, qual seja, o tecnológico (informático, inclusive). Assim, os conceitos de vestígio e o de corpo de delito ampliaram-se. Tal fato exige dos investigadores preparação e atualização constantes, visto que o criminoso, no atual estágio, pode voltar ao local do crime até mesmo virtualmente para prejudicar a obtenção de sinais que, em geral, não são mais observáveis de plano ou percebidos materialmente, no sentido tradicional. Trata-se de um desafio e a forma de enfrentá-lo tem na capacitação o suporte necessário. Para tanto, a presente obra, coordenada pelo jovem e competente Delegado de Polícia Higor Vinicius Nogueira Jorge, viabiliza a obte