Pular para o conteúdo principal

Projeto do CPqD desenvolve proteção contra crimes cibernéticos no celular

A pesquisa conta com R$ 18 milhões de reais do governo federal

Repórter: Proteção contra crimes cibernéticos no celular. É o que está sendo desenvolvido em um projeto do Centro de Pesquisa em Telecomunicações, o CPqD. A proposta conta com R$ 18 milhões do Funttel, o Fundo para o Desenvolvimento Tecnológico das Telecomunicações. No projeto, os pesquisadores montaram uma espécie de incubadora de vírus. Eles isolaram os artefatos maliciosos, que invadem a privacidade do consumidor nos dispositivos móveis, e montaram um banco com esses softwares. Eles ficam numa rede isolada e são observados de perto. Os pesquisadores analisam como os vírus se comportam e constroem mecanismos de defesa. Tudo para garantir a segurança do usuário, como explica o coordenador do projeto, Alexandre Braga.

Alexandre Braga, coordenador do projeto: O projeto visa desenvolver uma série de tecnologias de proteção para dispositivos móveis. É tanto proteção da comunicação propriamente, que precisa ser sigilosa, criptografada, autenticada, íntegra, e também proteções para o dispositivo móvel propriamente – proteções contra vírus, ataques cibernéticos, contra invasão de privacidade dentro do dispositivo.

Repórter: O projeto é apenas uma das inovações em desenvolvimento no CPqD. O instituto, que fica em Campinas, no estado de São Paulo, recebe, por lei, repasses anuais do Funttel, fundo que é gerido pelo Ministério das Comunicações. Neste ano, o orçamento da União prevê R$ 40 milhões para a fundação CPqD.

De Brasília, Andréa Xavier.

http://conexaominicom.mc.gov.br/audio/1356-projeto-do-cpqd-desenvolve-protecao-contra-crimes-ciberneticos-no-celular

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Primeiro episódio da "Conversa com Autores" com o delegado Wagner Carrasco

  Nesta segunda-feira teve início uma série de lives denominada "Conversa com Autores". O primeiro coautor a participar foi delegado Wagner Martins Carrasco de Oliveira @delegadowagnercarrasco que abordou os mesmos temas apresentados no capítulo que escreveu para o Tratado de Investigação Criminal Tecnológica, especialmente abordou os crimes de pirataria e a operação 404. Wagner Martins Carrasco de Oliveira é Delegado da Polícia Civil do Estado de São Paulo, em exercício na 1ª Delegacia da Divisão de Investigações Gerais (DIG) do Departamento de Investigações Criminais (DEIC). Graduado em Direito. Especialista Ciências Penais. Mestre em Adolescentes em Conflito com a Lei.

Obra com comentários sobre mais de 70 leis criminais tem valor promocional para associados ADPESP - Associação dos Delegados de Polícia do Estado de São Paulo

  A editora Juspodivm lançou a obra “Legislação Criminal Especial Comentada” elaborada por 24 delegados de polícia de todo o país, sendo 14 do estado de São Paulo. A coordenação é dos delegados Higor Vinicius Nogueira Jorge, de São Paulo, Joaquim Leitão Júnior, de Mato Grosso e William Garcez, do Rio Grande do Sul. O livro oferece comentários doutrinários e jurisprudenciais de forma objetiva, sobre mais de 70 leis criminais. Associados ADPESP podem comprar o lançamento com valor especial,  direto no site da editora Juspodivm. O cupom é válido até as 23:59 do dia 21 de maio . Para aproveitar o desconto, utilize o cupom ADPESP. A obra tem chamado a atenção do meio jurídico, sendo escrita pelos seguintes delegados e delegadas de polícia: – Antônio Flávio Rocha Freire – Bruno Fontenele Cabral – Everson Aparecido Contelli – Gabriela Madrid Aquino – Higor Vinicius Nogueira Jorge – Jakelline Costa Barros dos Santos – Joaquim Leitão Júnior – João Paulo Firpo Fontes – Joerberth Pinto Nunes – Kl