Pular para o conteúdo principal

Bruxas e charlatães à solta na pandemia

Muito real e pertinente a reflexão do delegado Jorge B Pontes no artigo denominado: "Bruxas e charlatães à solta na pandemia" que reproduzo abaixo e recomendo a leitura.

Bruxas e charlatães à solta na pandemia

Jorge B Pontes

Quase tão terrível como a própria epidemia do covid-19, está sendo a revelação de que somos um país de bruxos, falsos profetas, curandeiros místicos, videntes apocalípticos e analistas de cenários geopolíticos catastróficos, todos aparentemente fugidos de um manicômio.

O curioso é que, quanto mais apedeutas, quanto menos ilustrados cientificamente, mais opinam essas pessoas. Definitivamente as redes sociais abriram as portas do hospício...

Essa gente desvairada, talvez em razão do ócio do isolamento, brotou de todos os lados na crise, sempre com um celular nas mãos e contas ativas no Facebook e Instagram, disparando - ou repassando frenética e automaticamente - posts estapafúrdios, para centenas de grupos de WhatsApp.

Essa usina de fake news é de fato um dos piores efeitos colaterais que a crise poderia nos apresentar.

Esses posts, que invariavelmente desfilam textos apócrifos e conspiracionistas, como o da influência do 5G da China sobre o vírus, o da trama do partido comunista chinês para dominar o mundo, o de médicos matando pacientes no Rio e atestando falsamente como mortes pelo covid-19, só fazem aumentar a tensão e encher de besteiras as nossas caixas de mensagens.

Nesse horizonte febril, só está faltando atribuir o coronavírus a alguma influência extraterrestre.

E a ladainha da polarização política, que já precedia à crise do covid-19, para variar também divide a ala da bruxaria ideológica em dois grandes grupos antagônicos. Enfim, também não é possível assinalar qualquer consenso nem convergência nesse ambiente de desatino emocional. Estamos divididos até na loucura!

Se Nelson Rodrigues fosse vivo, diria que hoje o brasileiro não bebe um copo d’água da bica, sem um gesto ou uma pose ideológica.

Dilemas da epidemia, como o uso da cloroquina, imunização de rebanho ou adoção de isolamento social, são discutidos com o viés da polarização ideológica. O que dizem os cientistas e os pesquisadores é o de menos para a turma que passa os dias espumando nas redes sociais.

Mas antes de serem loucos, essa gente é, sobretudo, chata e inconveniente. Não se conformam apenas em espalhar seus desatinos, mas insistem em convencer a todos de suas teorias, e o fazem nos bombardeando como numa blitzkrieg de absurdos. São de uma toxidade tão deletéria quanto o próprio problema da epidemia.

Merece registro, como piada, o fato de pessoas que conhecidamente nunca (ou quase nunca) trabalharam, estarem à frente de movimentos de “retorno maciço ao trabalho”. Era só o que faltava!

Para elas só há duas soluções: bloquear nas redes ou ignorar solenemente.

Jorge B Pontes é Delegado de Polícia Federal desde 1995. Cursou Direito na UERJ; é formado pela Academia Nacional do FBI em 1994, Quantico/Virgínia-USA; tem pós-Graduação em Justiça Criminal pela Universidade de Virginia/USA; tem curso de Inteligência Policial pela National Police Agency Japan/Tóquio/Japão; cursou Gerenciamento Avançado para Policiais na Academia Internacional de Policia, Roswell/Novo México – USA; tem o Curso de Altos Estudos de Política e Estratégica da Escola Superior de Guerra – ESG; tem MBA em Planejamento e Gestão Estratégica pela Fundação Getulio Vargas – FGV.
Foi superintendente da PF em Pernambuco, Coordenador Geral da Interpol, Adido da PF em Paris e membro eleito do Comitê Executivo da Interpol em Lyon para o triênio 2008-2011.
Foi o idealizador e autor da proposta de criação e responsável pela implantação das unidades de repressão aos crimes ambientais na PF.
Foi consultor especial para a série da NETFLIX “O mecanismo” dirigida pelo cineasta Jose Padilha.
Publicou, em co-autoria como delegado federal Marcio Anselmo, o livro “CRIME.GOV – QUANDO CORRUPÇÃO E GOVERNO SE MISTURAM, com o selo da Editora Objetiva.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Top 10 ameaças de segurança para 2011

Top 10 ameaças de segurança para 2011

 Dos dez principais ameaças de segurança para 2011, alguns deles até mesmo fazer o bem informado e técnicos mentes fracas nos joelhos. Já este ano, a ameaça número um foi identificado. Pela primeira vez na história da internet, os hackers podem comprar uma cópia registrada de um kit de Malware sofisticados para 99,00 dólares, mas mais sobre essa ameaça abaixo. Em nenhuma ordem particular, estes são os outros nove principais ameaças à segurança para 2011:
O Malware Toolkit: Este Kit Malware inclui todas as ferramentas necessárias para criar e atualizar o malware, bem como assumir o controle de um computador host, além de atualizações e-mail e suporte do produto. Por que isso é como a ameaça? Porque não são necessárias habilidades de codificação, os usuários simplesmente precisam dominar as opções do programa clicáveis e são apresentadas com uma web baseada em Linux exploit usando a mais recente tecnologia de botnets, pronto para implantar.
hacker…

O perigo do ‘leilão de centavos’

Advogado especialista em segurança da informação denuncia as fraudes que levam internautas a perder dinheiro em sites Cristina Camargo

Agência BOM DIA

Atenção: ao não resistir à tentação e entrar em sites que promovem os “leilões de centavos”, você pode ser enganado e perder dinheiro. É o alerta do advogado José  Milagre, de Bauru, especializado em segurança da informação.
“Em análise acerca da autenticidade de alguns sites, identificamos que, descaradamente e incrivelmente, os vencedores são sempre os mesmos – e estes usuários, na verdade, não existem”, escreveu no site Olhar Digital, em artigo que ganhou repercussão entre os internautas.
Quem participa desses leilões compra créditos pré-pagos  para lançar à vontade nos produtos. Mas, segundo Milagre, grande parte desses endereços eletrônicos divulga informações falsas aos usuários. “Na verdade, [os sites] não estornam os créditos e alguns sequer permitem que os créditos sejam utilizados para a compra de outras mercadorias, o que fere…

Saiba como o Egito se desligou da web, e o que é feito para furar bloqueio

Internet foi criada para sobreviver a ataque nuclear, mas pode ser 'fechada'.
País tem rede pequena e provedores cooperaram com governo. Altieres RohrEspecial para o G1 Alguns telefonemas. É o que especialistas apostam ter sido suficiente para derrubar a internet no Egito. O país tem poucas das chamadas redes autônomas (AS, na sigla em inglês), que são as pequenas redes que, quando conectadas entre si, formam a internet. Existem ainda menos provedores internacionais que conectam o país. Desconectar o Egito, portanto, não foi difícil.
O Egito possui cerca de 3500 redes, mas apenas seis provedores internacionais.
Os quatro maiores provedores do Egito foram os primeiros a parar suas atividades após o pedido do governo. Os demais acabaram recebendo o tráfego extra, mas logo se viram sobrecarregados e também sob pressão até que o último provedor, Noor, foi desligado nesta segunda-feira (31). O Noor ligava companhias ocidentais à internet e também a bolsa de valores do país, que agora…