Pular para o conteúdo principal

Lançamento do livro Tratado de Investigação Criminal Tecnológica pela editora Juspodivm


A editora Juspodivm anunciou o lançamento da obra "Tratado de Investigação Criminal Tecnológica", com estudos inéditos e fundamentais para aprofundar os conhecimentos sobre a temática.
A obra é coordenada pelo delegado de polícia Higor Vinicius Nogueira Jorge e conta com a participação de autores brasileiros, considerados referências no cenário da aplicação da tecnologia na investigação criminal, além de autores da Espanha, Portugal, Argentina e Colômbia.

Abaixo são apresentados os principais autores e assuntos contidos do Tratado de Investigação Criminal Tecnológica, que será lançado na próxima semana pela Editora Juspodivm:

Hericson dos Santos e Jorge André Domingues Barreto escreveram sobre abuso sexual infantil na internet; Rubén Ríos e Selva Orejon, da Espanha, apresentaram informações sobre a utilização de fontes abertas em uma investigação de desaparecimento de um bebê recém-nascido (em espanhol); Higor Vinicius Nogueira Jorge escreveu, juntamente com Hélio Molina Jorge Júnior, um capítulo sobre algumas ferramentas disponíveis para a investigação em fontes abertas; Marcus Vinicius de Carvalho e Robinson Fernandes escreveram capítulo sobre o afastamento do sigilo bancário, fiscal, bursátil e dados armazenados na nuvem; Higor Vinicius Nogueira Jorge escreveu, juntamente com Emerson Wendt, capítulo sobre interceptação telemática de contas do WhatsApp (extrato de mensagens); Alesandro Gonçalves Barreto e Karolinne Brasil Barreto escreveram capítulo sobre clonagem de conta no WhatsApp e caminhos para atribuição de autoria delitiva; Jorge Figueiredo Junior escreveu capítulo sobre tecnologia disruptiva e a investigação criminal; Higor Vinicius Nogueira Jorge escreveu, em pareceria com Hélio Molina Jorge Júnior, sobre afastamento do sigilo de usuário do Google e Apple; Gustavo André Alves e Marcus Vinicius Lourenço escreveram sobre extração de mensagens do WhatsApp; Luciano Henrique Cintra escreveu sobre criptomoedas e soluções para investigadores criminais; Rafael Velasquez Saavedra da Silva escreveu sobre tecnologia aplicada à inteligência policial; Janio Konno Júnior escreveu sobre interceptação telemática ou busca e apreensão de dados em nuvem e a preservação da cadeia de custódia; Romina Florencia Cabrera, da Argentina, escreveu sobre direito processual e perspectivas do novo milênio (em espanhol); Rafael Francisco Marcondes de Moraes discorreu sobre polícia judiciária, direitos humanos e o acesso ao conteúdo de aparelhos eletrônicos; Gustavo Mesquita Galvão Bueno escreveu sobre condutas nocivas praticadas por meios eletrônicos e seus efeitos na criminalidade de massa; Ilton Garcia da Costa, Everson Aparecido Contelli e Ramon Euclides Guarnieri Pedrão elaboraram capítulo sobre terceiro inocente, chips de celular e o controle de cadastros telefônicos: tipos penais, eficiência da investigação criminal e estudos de casos; Roberto Santos da Silva escreveu capítulo sobre direitos humanos e investigação criminal tecnológica; Higor Jorge escreveu, em conjunto com Gustavo Mesquita Galvão Bueno, capítulo sobre investigação criminal tecnológica e direitos fundamentais; André Ferreira de Oliveira escreveu sobre a investigação criminal do cibercrime em Portugal; Emanuel Ortiz abordou a aproximação metodológica do cibercrime na Colômbia; Joaquim Leitão Júnior abordou o bioterrorismo, agroterrorismo, geração e dimensão dos elementos informativos; Delmar Araújo Bittencourt escreveu sobre requisição de dados cadastrais e estudo de caso; Ricardo Magno Teixeira Fonseca e Ulisses da Nobrega Silva elaboraram capítulo sobre visão analítica acerca da operação Paragon; Mauro Roberto de Souza Júnior apresentou estudo de caso sobre investigação de organização criminosa voltada para o tráfico de entorpecentes, branqueamento de capitais e jogos de azar; Luis Francisco Segantin Junior apresentou estudo de caso de investigação de extorsão mediante sequestro e a utilização dos meios tecnológicos para a coleta de provas/produção da informação e que subsidiam a tomada da decisão; Adinei Brochi escreveu sobre tecnologia e investigação criminal; Márcio Rogério Porto abordou experiências positivas em investigações envolvendo compartilhamento NAT e CGNAT sem a porta de origem e Wagner Martins Carrasco de Oliveira tratou do combate à pirataria digital com a utilização da investigação criminal tecnológica e a bem-sucedida operação 404.

A apresentação foi elaborada por Emerson Wendt e o prefácio foi redigido por Youssef Abou Chahin.

Adquira a obra no site: https://www.editorajuspodivm.com.br/tratado-de-investigacao-criminal-tecnologica-2020



POR QUE ESCOLHER O LIVRO TRATADO DE INVESTIGAÇÃO CRIMINAL TECNOLÓGICA?

Essa nova obra coordenada, organizada e também escrita pelo Delegado de Polícia e escritor Higor Jorge é um projeto necessário e contemporâneo. Posso dizer, de antemão, que é um conjunto de textos bastante práticos, algo que o profissional de polícia ou de justiça possa utilizar no dia a dia das investigações criminais e dos processos judiciais. 

Muito a tecnologia pode colaborar com a segurança pública, especialmente nos seus aspectos preventivos e repressivos. Utilizar a tecnologia como um dos vetores da atividade de inteligência e, também, de investigação criminal, é fundamental, pois auxilia na produção de conhecimentos e também na coleta de provas e evidências digitais. 

Estrategicamente e para melhor compreensão do leitor, Higor Jorge dividiu o Tratado em 5 eixos principais.

No primeiro eixo – Fontes Abertas e Investigação Criminal –, com três textos, o assunto é um dos mais corriqueiros e usuais em investigações criminais no mundo todo. Novas Possibilidade de Afastamento de Sigilo é o tema do segundo eixo, voltado às questões práticas de afastamento de sigilo nas investigações criminais, oportunidade em que os autores, inclusive eu, abordam pontos teóricos e práticos dos sigilos bancário, fiscal, bursátil, de dados nas nuvens, acesso a dados de Whatsapp, Google e Apple. No terceiro eixo, Higor Jorge organizou textos sobre Equipamentos Tecnológicos Aplicados na Apuração de Crimes. O quarto eixo é o mais longo e o mais importante na atualidade: Investigação Criminal Tecnológica e Direitos Fundamentais. Realizar a investigação criminal e, ao mesmo tempo, sem ferir e respeitar os direitos humanos e fundamentais dos investigados é o contexto ideal frente a todos os desafios atinentes à investigação. O quinto e último eixo não poderia ser diferente: foco nos casos práticos e estudos de caso. Como a investigação tecnológica auxiliou em casos práticos e como isso reflete em exemplos de boas práticas investigativas? Esse é o contexto da última parte, mas não menos importante, do Tratado de Investigação Criminal Tecnológica.

Mais do que um Tratado é uma obra litúrgica, orientativa e com um olhar para com o outro, seja o policial, seja o autor, seja a vítima. Merece a melhor e atenta leitura de todos e todas!

Emerson Wendt

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Top 10 ameaças de segurança para 2011

Top 10 ameaças de segurança para 2011

 Dos dez principais ameaças de segurança para 2011, alguns deles até mesmo fazer o bem informado e técnicos mentes fracas nos joelhos. Já este ano, a ameaça número um foi identificado. Pela primeira vez na história da internet, os hackers podem comprar uma cópia registrada de um kit de Malware sofisticados para 99,00 dólares, mas mais sobre essa ameaça abaixo. Em nenhuma ordem particular, estes são os outros nove principais ameaças à segurança para 2011:
O Malware Toolkit: Este Kit Malware inclui todas as ferramentas necessárias para criar e atualizar o malware, bem como assumir o controle de um computador host, além de atualizações e-mail e suporte do produto. Por que isso é como a ameaça? Porque não são necessárias habilidades de codificação, os usuários simplesmente precisam dominar as opções do programa clicáveis e são apresentadas com uma web baseada em Linux exploit usando a mais recente tecnologia de botnets, pronto para implantar.
hacker…

O perigo do ‘leilão de centavos’

Advogado especialista em segurança da informação denuncia as fraudes que levam internautas a perder dinheiro em sites Cristina Camargo

Agência BOM DIA

Atenção: ao não resistir à tentação e entrar em sites que promovem os “leilões de centavos”, você pode ser enganado e perder dinheiro. É o alerta do advogado José  Milagre, de Bauru, especializado em segurança da informação.
“Em análise acerca da autenticidade de alguns sites, identificamos que, descaradamente e incrivelmente, os vencedores são sempre os mesmos – e estes usuários, na verdade, não existem”, escreveu no site Olhar Digital, em artigo que ganhou repercussão entre os internautas.
Quem participa desses leilões compra créditos pré-pagos  para lançar à vontade nos produtos. Mas, segundo Milagre, grande parte desses endereços eletrônicos divulga informações falsas aos usuários. “Na verdade, [os sites] não estornam os créditos e alguns sequer permitem que os créditos sejam utilizados para a compra de outras mercadorias, o que fere…

Saiba como o Egito se desligou da web, e o que é feito para furar bloqueio

Internet foi criada para sobreviver a ataque nuclear, mas pode ser 'fechada'.
País tem rede pequena e provedores cooperaram com governo. Altieres RohrEspecial para o G1 Alguns telefonemas. É o que especialistas apostam ter sido suficiente para derrubar a internet no Egito. O país tem poucas das chamadas redes autônomas (AS, na sigla em inglês), que são as pequenas redes que, quando conectadas entre si, formam a internet. Existem ainda menos provedores internacionais que conectam o país. Desconectar o Egito, portanto, não foi difícil.
O Egito possui cerca de 3500 redes, mas apenas seis provedores internacionais.
Os quatro maiores provedores do Egito foram os primeiros a parar suas atividades após o pedido do governo. Os demais acabaram recebendo o tráfego extra, mas logo se viram sobrecarregados e também sob pressão até que o último provedor, Noor, foi desligado nesta segunda-feira (31). O Noor ligava companhias ocidentais à internet e também a bolsa de valores do país, que agora…