Pular para o conteúdo principal

EUA propõem ferramenta para evitar rastreamento de usuários na internet

DA EFE, EM WASHINGTON

Uma agência governamental dos Estados Unidos propôs nesta quarta-feira um plano para fornecer aos usuários na internet um mecanismo que proteja sua privacidade frente os programas de rastreamento que armazenam e vendem suas informações na rede.
A Comissão Federal de Comércio (FTC, por sua sigla em inglês), que se encarrega de proteger a privacidade dos consumidores nos EUA, publicou o relatório como um marco de recomendações ao governo, legisladores e empresas.
Acompanhe a Folha no Twitter
Conheça a página da Folha no Facebook
A proposta é apresentada em meio ao debate sobre a privacidade na internet nos EUA, que ressurgiu após vários erros nos sistemas de confidencialidade da web e de redes sociais como o Facebook.
Uma das maiores preocupações da FTC são os programas "invisíveis" que se instalam automaticamente em computadores com a entrada do usuário em um site e servem para rastrear suas ações e compartilhá-las entre empresas.
Os dados recopilados servem para projetar gostos, costumes e atitudes de usuários a uma escala global e tão extensa como é a internet, uma informação muito valiosa e utilizada por agências de publicidade.
A FTC conclui que as regulações das companhias sobre o tema "falharam à hora de fornecer uma proteção adequada e significativa" aos consumidores.
A resposta para a agência governamental é "privacidade por definição", um termo que utiliza para explicar como as companhias deveriam fornecer sistemas que protejam o usuário por obrigação.
Para isso, propõe uma ferramenta de "não rastreamento" ("Do Not Track") que as empresas deveriam implementar para que os consumidores escolham se podem guardar dados como suas buscas e navegação na web.
A armazenagem dessa informação deveria ser permitida apenas quando for necessária e eliminada de uma maneira regular, segundo o relatório, que foi apresentado um dia antes de a subcomissão da Câmara de Representantes de Comércio e Defesa do Consumidor tratar do mesmo assunto em uma audiência.
+ NOTÍCIAS EM TEC

Extraído do site: http://www1.folha.uol.com.br/tec/839731-eua-propoem-ferramenta-para-evitar-rastreamento-de-usuarios-na-internet.shtml

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Palavra de Especialista com Delegado Higor Jorge

Hoje, às 19:00, no programa de estreia "Palavra de Especialista", o diretor da ADPESP Rodrigo Lacordia recebe o delegado de Polícia, professor e palestrante Dr. Higor Vinícius Nogueira Jorge para um bate-papo sobre crimes cibernéticos, além de dicas e informações sobre direito e tecnologia. Assistam a entrevista em: https://youtu.be/p9FF98siWvg e também no Spotify.

Obra com comentários sobre mais de 70 leis criminais tem valor promocional para associados ADPESP - Associação dos Delegados de Polícia do Estado de São Paulo

  A editora Juspodivm lançou a obra “Legislação Criminal Especial Comentada” elaborada por 24 delegados de polícia de todo o país, sendo 14 do estado de São Paulo. A coordenação é dos delegados Higor Vinicius Nogueira Jorge, de São Paulo, Joaquim Leitão Júnior, de Mato Grosso e William Garcez, do Rio Grande do Sul. O livro oferece comentários doutrinários e jurisprudenciais de forma objetiva, sobre mais de 70 leis criminais. Associados ADPESP podem comprar o lançamento com valor especial,  direto no site da editora Juspodivm. O cupom é válido até as 23:59 do dia 21 de maio . Para aproveitar o desconto, utilize o cupom ADPESP. A obra tem chamado a atenção do meio jurídico, sendo escrita pelos seguintes delegados e delegadas de polícia: – Antônio Flávio Rocha Freire – Bruno Fontenele Cabral – Everson Aparecido Contelli – Gabriela Madrid Aquino – Higor Vinicius Nogueira Jorge – Jakelline Costa Barros dos Santos – Joaquim Leitão Júnior – João Paulo Firpo Fontes – Joerberth Pinto Nunes – Kl

Publicado o livro “Direito Penal sob a perspectiva da investigação criminal tecnológica”

POR QUE COMPRAR O LIVRO: DIREITO PENAL SOB A PERSPECTIVA DA INVESTIGAÇÃO CRIMINAL TECNOLÓGICA? O mundo fenomênico sofre, constantemente, influência da tecnologia em sua evolução e no seu aperfeiçoamento. Logo, esse fenômeno repercute, também, no âmbito criminal, visto que os delitos atuais contam com um componente que evolui a cada minuto, qual seja, o tecnológico (informático, inclusive). Assim, os conceitos de vestígio e o de corpo de delito ampliaram-se. Tal fato exige dos investigadores preparação e atualização constantes, visto que o criminoso, no atual estágio, pode voltar ao local do crime até mesmo virtualmente para prejudicar a obtenção de sinais que, em geral, não são mais observáveis de plano ou percebidos materialmente, no sentido tradicional. Trata-se de um desafio e a forma de enfrentá-lo tem na capacitação o suporte necessário. Para tanto, a presente obra, coordenada pelo jovem e competente Delegado de Polícia Higor Vinicius Nogueira Jorge, viabiliza a obte