Pular para o conteúdo principal

Código fonte de antivírus da Kaspersky vaza na internet

Informação foi roubada por um ex-funcionário em 2007.
Empresa diz que não há risco para os usuários do software.

Altieres Rohr Especial para o G1  
Código é antigo e foi modificado em versões novas, segundo a empresa russa de antivírus
Código é antigo e foi modificado em versões
novas, segundo a empresa russa de antivírus
O código fonte do que parece ser uma versão beta do Kaspersky Anti-Virus 8.0 (2009) está disponível na internet em diversos sites de torrents. Para sites russos, a empresa de Moscou confirmou que o código foi obtido por um ex-funcionário. Ele foi condenado a três anos de prisão por roubo de propriedade intelectual.
O vazamento foi noticiado em abril de 2009. O código estaria disponível para a venda no mercado negro, mas não havia confirmação se o código era legítimo. Agora, o programa da Kaspersky circula livremente pelos sites e redes de trocas de arquivos.
A Kaspersky disse ao site russo CNews que o arquivo vazado realmente contém uma “um fragmento de uma versão obsoleta do mecanismo antivírus, que desde então foi bastante modificado e atualizado”. Criminosos teriam dificuldade em descobrir algo, já que o antivírus teria mudado muito.
A empresa ainda informou que a distribuição aberta e gratuita do código teria iniciado em novembro de 2010 dentro de algumas comunidades criminosas fechadas. Depois, foi colocado em um site de hospedagem gratuita. Agora, circula por sites de torrents.
Consultado pela CNews, um especialista de uma distribuidora da ESET, fabricante do antivírus NOD32, afirmou que o maior dano seria à reputação da Kaspersky, por ser uma empresa que lida com segurança.
Em outubro, um site mantido pela Kaspersky sofreu uma invasão e distribuiu códigos maliciosos a seus visitantes.
A Kaspersky não é a única empresa conhecida a ter seu código fonte vazado. Em 2004, trechos dos códigos do Windows 2000 e do Windows NT4 também foram colocados na internet.

Extraído do site: http://g1.globo.com/tecnologia/noticia/2011/01/codigo-fonte-de-antivirus-da-kaspersky-vaza-na-internet.html

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Palavra de Especialista com Delegado Higor Jorge

Hoje, às 19:00, no programa de estreia "Palavra de Especialista", o diretor da ADPESP Rodrigo Lacordia recebe o delegado de Polícia, professor e palestrante Dr. Higor Vinícius Nogueira Jorge para um bate-papo sobre crimes cibernéticos, além de dicas e informações sobre direito e tecnologia. Assistam a entrevista em: https://youtu.be/p9FF98siWvg e também no Spotify.

Obra com comentários sobre mais de 70 leis criminais tem valor promocional para associados ADPESP - Associação dos Delegados de Polícia do Estado de São Paulo

  A editora Juspodivm lançou a obra “Legislação Criminal Especial Comentada” elaborada por 24 delegados de polícia de todo o país, sendo 14 do estado de São Paulo. A coordenação é dos delegados Higor Vinicius Nogueira Jorge, de São Paulo, Joaquim Leitão Júnior, de Mato Grosso e William Garcez, do Rio Grande do Sul. O livro oferece comentários doutrinários e jurisprudenciais de forma objetiva, sobre mais de 70 leis criminais. Associados ADPESP podem comprar o lançamento com valor especial,  direto no site da editora Juspodivm. O cupom é válido até as 23:59 do dia 21 de maio . Para aproveitar o desconto, utilize o cupom ADPESP. A obra tem chamado a atenção do meio jurídico, sendo escrita pelos seguintes delegados e delegadas de polícia: – Antônio Flávio Rocha Freire – Bruno Fontenele Cabral – Everson Aparecido Contelli – Gabriela Madrid Aquino – Higor Vinicius Nogueira Jorge – Jakelline Costa Barros dos Santos – Joaquim Leitão Júnior – João Paulo Firpo Fontes – Joerberth Pinto Nunes – Kl

Publicado o livro “Direito Penal sob a perspectiva da investigação criminal tecnológica”

POR QUE COMPRAR O LIVRO: DIREITO PENAL SOB A PERSPECTIVA DA INVESTIGAÇÃO CRIMINAL TECNOLÓGICA? O mundo fenomênico sofre, constantemente, influência da tecnologia em sua evolução e no seu aperfeiçoamento. Logo, esse fenômeno repercute, também, no âmbito criminal, visto que os delitos atuais contam com um componente que evolui a cada minuto, qual seja, o tecnológico (informático, inclusive). Assim, os conceitos de vestígio e o de corpo de delito ampliaram-se. Tal fato exige dos investigadores preparação e atualização constantes, visto que o criminoso, no atual estágio, pode voltar ao local do crime até mesmo virtualmente para prejudicar a obtenção de sinais que, em geral, não são mais observáveis de plano ou percebidos materialmente, no sentido tradicional. Trata-se de um desafio e a forma de enfrentá-lo tem na capacitação o suporte necessário. Para tanto, a presente obra, coordenada pelo jovem e competente Delegado de Polícia Higor Vinicius Nogueira Jorge, viabiliza a obte