Pular para o conteúdo principal

MS não tem delegacia para combater crimes cibernéticos

Foto: Div
Não há números oficiais. Mas policiais afirmam que tem crescido a quantidade de crimes cometidos através da internet. E para chegar até a autoria deles o ideal é ter uma delegacia específica, afirma especialista. Mato Grosso do Sul é um dos 17 estados onde não há uma delegacia especializada em combater os crimes cibernéticos.
No Estado há a Devir (Delegacia Virtual), mas que não atua diretamente no combate aos crimes cometidos pela internet, apesar de no decreto de criação da unidade estar previsto este tipo de trabalho. Há situações que são investigadas pela Dedfaz (Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes de Defraudações)
De acordo com o delegado Matusálem Sotolani, que responde pela assessoria de imprensa da Polícia Civil, já foi cogitada a criação de uma delegacia específica, no entanto, conforme ele, ainda não existe alto número de ocorrências. “Ainda são poucos os praticados pela internet. A demanda ainda não comporta”. Segundo ele, a instalação depende também de outras questões. “Demanda recursos, pessoal especializado”.
Matusálem explica que a Devir atua no suporte a outras unidades e em casos sigilosos, como por exemplo, que envolvem autoridades. A Devir funciona mais para agilizar o acesso do cidadão a registro de ocorrências. Pelo site www.devir.pc.ms.gov.br é possível registrar boletins de furtos simples, extravios e desaparecimento de pessoas.
Especialista -Diretor do Gabinete de Inteligência da Polícia Civil do Rio Grande do Sul e especialista em crimes cibernéticos, o delegado Emerson Wendt diz que é fundamental a existência de uma delegacia específica para combater os crimes praticados pela internet, sendo os mais comuns deles furtos em contas bancárias, fraudes com cartões de crédito, sites de financiamento de dinheiro sem autorização do Banco Central e crimes contra a honra (injúria, ameaça) cometidos em redes sociais.
Para ele, o ideal seria ter ao menos uma delegacia de Polícia em cada estado para interagir e trabalhar em conjunto no combate aos crimes praticados no ambiente virtual.
O delegado diz ainda que o crime organizado também atua na internet e usa a rede ainda para se comunicar. Para centralizar o combate a esta e a outras situações é importante haver uma delegacia especializada. “E também para policiais de outras unidades terem referencial de onde buscar informações e dar encaminhamentos”, explica Emerson Wendt.
Para que o crime seja desvendado é preciso dois passos, declara o policial. “O primeiro passo é a técnica (ordem judicial para chegar até a máquina, por exemplo) e o segundo é a investigação policial, para se chegar a quem estava sentado na frente da máquina naquele momento”.
Segundo Emerson, também são crimes cibernéticos a interceptação de e-mails, violação de senhas e quebra de sigilos bancários. Conforme ele, “redes não protegidas, redes abertas, sem controle de uso”, são mais fáceis de serem acessadas por um criminoso.
À frente -Possuem delegacias especializadas de combate a crimes cometidos através da internet: Rio Grande do Sul, São Paulo, Rio de Janeiro, Paraná, Espírito Santo, Minas Gerais, Pará, Mato Grosso e o Distrito Federal. (Campo grande News)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Palavra de Especialista com Delegado Higor Jorge

Hoje, às 19:00, no programa de estreia "Palavra de Especialista", o diretor da ADPESP Rodrigo Lacordia recebe o delegado de Polícia, professor e palestrante Dr. Higor Vinícius Nogueira Jorge para um bate-papo sobre crimes cibernéticos, além de dicas e informações sobre direito e tecnologia. Assistam a entrevista em: https://youtu.be/p9FF98siWvg e também no Spotify.

Obra com comentários sobre mais de 70 leis criminais tem valor promocional para associados ADPESP - Associação dos Delegados de Polícia do Estado de São Paulo

  A editora Juspodivm lançou a obra “Legislação Criminal Especial Comentada” elaborada por 24 delegados de polícia de todo o país, sendo 14 do estado de São Paulo. A coordenação é dos delegados Higor Vinicius Nogueira Jorge, de São Paulo, Joaquim Leitão Júnior, de Mato Grosso e William Garcez, do Rio Grande do Sul. O livro oferece comentários doutrinários e jurisprudenciais de forma objetiva, sobre mais de 70 leis criminais. Associados ADPESP podem comprar o lançamento com valor especial,  direto no site da editora Juspodivm. O cupom é válido até as 23:59 do dia 21 de maio . Para aproveitar o desconto, utilize o cupom ADPESP. A obra tem chamado a atenção do meio jurídico, sendo escrita pelos seguintes delegados e delegadas de polícia: – Antônio Flávio Rocha Freire – Bruno Fontenele Cabral – Everson Aparecido Contelli – Gabriela Madrid Aquino – Higor Vinicius Nogueira Jorge – Jakelline Costa Barros dos Santos – Joaquim Leitão Júnior – João Paulo Firpo Fontes – Joerberth Pinto Nunes – Kl

Publicado o livro “Direito Penal sob a perspectiva da investigação criminal tecnológica”

POR QUE COMPRAR O LIVRO: DIREITO PENAL SOB A PERSPECTIVA DA INVESTIGAÇÃO CRIMINAL TECNOLÓGICA? O mundo fenomênico sofre, constantemente, influência da tecnologia em sua evolução e no seu aperfeiçoamento. Logo, esse fenômeno repercute, também, no âmbito criminal, visto que os delitos atuais contam com um componente que evolui a cada minuto, qual seja, o tecnológico (informático, inclusive). Assim, os conceitos de vestígio e o de corpo de delito ampliaram-se. Tal fato exige dos investigadores preparação e atualização constantes, visto que o criminoso, no atual estágio, pode voltar ao local do crime até mesmo virtualmente para prejudicar a obtenção de sinais que, em geral, não são mais observáveis de plano ou percebidos materialmente, no sentido tradicional. Trata-se de um desafio e a forma de enfrentá-lo tem na capacitação o suporte necessário. Para tanto, a presente obra, coordenada pelo jovem e competente Delegado de Polícia Higor Vinicius Nogueira Jorge, viabiliza a obte