Pular para o conteúdo principal

Hotelaria é um dos setores com maior índice de roubo de dados


Por Juliana Bellegard · Segunda-feira, 5 de novembro de 2012

A mais recente edição do Relatório de Investigação de Violação de Dados, desenvolvido pela Verizon, aponta os setores de Acomodação e Alimentação como os mais suscetíveis à ação de hackers e roubo de informações. Os dados apontam que 54% de todos os ataques feitos são a empresas destas duas áreas.

A principal explicação para isso, segundo o estudo, é a chamada “industrialização” dos crimes cibernéticos, combinados com a facilidade de acesso aos sistemas destes estabelecimentos. E-mails no estilo spam com malwares (programas que são instalados no computador atacado para causar algum dano ou roubar informações) são o golpe mais comum, junto com roubo de senhas.

A pesquisa mostra que dentre os ataques registrados, 90% foram feitos por meio de credenciais e senhas de acesso excessivamente simples e que podem ser adivinhadas; ou então por meio dos malwares enviados por e-mails ou sites.

O interesse nos dados financeiros de clientes ou da própria empresa é o principal motivo dos ataques, que não são direcionados especificamente para aquela companhia. As ações são feitas em larga escala e os estabelecimentos mais vulneráveis tornam-se alvo fácil.

Outro dado revelado pelo relatório é o fato das médias e pequenas empresas receberem o maior número desses ataques. De 655 crimes listados na pesquisa, 535 deles foram contra companhias que possuem de 11 a cem funcionários, incluindo franquias de grandes marcas internacionais. O fato destas empresas trabalharem com pouca ou nenhuma segurança de TI justifica o alto número de ataques sofridos.

O estudo
Divulgado no Brasil pela Terremark, o Relatório de Investigação de Violação de Dados é feito pela equipe de Risco da Verizon com a colaboração da Polícia Federal Australiana, Unidade Nacional de Crimes de Alta Tecnologia da Holanda, Serviço de Informação e Segurança da Irlanda, Serviço Secreto dos Estados Unidos e a Unidade de e-Crime da Polícia Central britânica.

Serviço
www.terremark.com.br
www.verizonbusiness.com

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Palavra de Especialista com Delegado Higor Jorge

Hoje, às 19:00, no programa de estreia "Palavra de Especialista", o diretor da ADPESP Rodrigo Lacordia recebe o delegado de Polícia, professor e palestrante Dr. Higor Vinícius Nogueira Jorge para um bate-papo sobre crimes cibernéticos, além de dicas e informações sobre direito e tecnologia. Assistam a entrevista em: https://youtu.be/p9FF98siWvg e também no Spotify.

Obra com comentários sobre mais de 70 leis criminais tem valor promocional para associados ADPESP - Associação dos Delegados de Polícia do Estado de São Paulo

  A editora Juspodivm lançou a obra “Legislação Criminal Especial Comentada” elaborada por 24 delegados de polícia de todo o país, sendo 14 do estado de São Paulo. A coordenação é dos delegados Higor Vinicius Nogueira Jorge, de São Paulo, Joaquim Leitão Júnior, de Mato Grosso e William Garcez, do Rio Grande do Sul. O livro oferece comentários doutrinários e jurisprudenciais de forma objetiva, sobre mais de 70 leis criminais. Associados ADPESP podem comprar o lançamento com valor especial,  direto no site da editora Juspodivm. O cupom é válido até as 23:59 do dia 21 de maio . Para aproveitar o desconto, utilize o cupom ADPESP. A obra tem chamado a atenção do meio jurídico, sendo escrita pelos seguintes delegados e delegadas de polícia: – Antônio Flávio Rocha Freire – Bruno Fontenele Cabral – Everson Aparecido Contelli – Gabriela Madrid Aquino – Higor Vinicius Nogueira Jorge – Jakelline Costa Barros dos Santos – Joaquim Leitão Júnior – João Paulo Firpo Fontes – Joerberth Pinto Nunes – Kl

Publicado o livro “Direito Penal sob a perspectiva da investigação criminal tecnológica”

POR QUE COMPRAR O LIVRO: DIREITO PENAL SOB A PERSPECTIVA DA INVESTIGAÇÃO CRIMINAL TECNOLÓGICA? O mundo fenomênico sofre, constantemente, influência da tecnologia em sua evolução e no seu aperfeiçoamento. Logo, esse fenômeno repercute, também, no âmbito criminal, visto que os delitos atuais contam com um componente que evolui a cada minuto, qual seja, o tecnológico (informático, inclusive). Assim, os conceitos de vestígio e o de corpo de delito ampliaram-se. Tal fato exige dos investigadores preparação e atualização constantes, visto que o criminoso, no atual estágio, pode voltar ao local do crime até mesmo virtualmente para prejudicar a obtenção de sinais que, em geral, não são mais observáveis de plano ou percebidos materialmente, no sentido tradicional. Trata-se de um desafio e a forma de enfrentá-lo tem na capacitação o suporte necessário. Para tanto, a presente obra, coordenada pelo jovem e competente Delegado de Polícia Higor Vinicius Nogueira Jorge, viabiliza a obte