Pular para o conteúdo principal

Aplicativo exclui dados pessoais da Internet

Programa procura por dados online do usuário e permite que eles sejam removidos da rede
Da Redação

Que é praticamente impossível excluir todos os dados que compartilhamos por meio da Internet, já sabemos. Mas e se a maior parte dos dados pudesse ser apagada para sempre? Essa é a ideia da startup Abine.
A americana com sede em Boston é responsável pela criação do aplicativo DeleteMe. Lançado na segunda-feira (14/1) apenas para dispositivos iOS, o serviço visa a remoção de informações pessoais do usuário de muitos grandes sites que coletam dados e os vendem.
"Centenas de corretores de dados que você sequer ouviu falar rastreiam tudo o que as pessoas fazem dentro e fora da Internet", disse a analista de privacidade da Abine, Sarah Downey, ao site de tecnologia Mashable. "Essa coleção de dados digitais está levando à criação do seu 'eu digital' e, cada vez mais, decisões são tomadas com base nessa versão virtual de você, como a capacidade de obter empréstimos, prêmios de seguros, preços e compras online e até se vão contratá-lo."
O aplicativo é gratuito para baixar e ele também realiza algumas remoções sem cobrar nada. Mas, para adquirir o serviço completo, o usuário deve fazer uma assinatura trimestral que custa 25 dólares.
Como funciona
Depois de baixá-lo e fornecer algumas informações básicas para se inscrever no serviço - como e-mail, nome completo, cidade e estado onde mora, o usuário autoriza o DeleteMe Mobile a "caçar" qualquer tipo de informação sobre ele, que esteja na Internet, para que possa ser excluída.
O app exibirá uma lista com cerca de oito resultados. Aparecerão, então, duas opções: na primeira (o botão "Not Me") o usuário pode informar ao aplicativo que aquele dado não lhe pertence ou apertar o botão "DeleteMe" para remover os dados.
"Nós construímos uma tecnologia de busca para vasculhar os maiores corretores de dados para os resultados. E, quando os usuários solicitam a remoção, nós automatizamos alguns dos processos", acrescentou Sarah. "Muitos dos casos, no entranto, ficam para a nossa equipe - todos moradores de Boston e muitos são estudantes de direito - para fazer o trabalho duro de escrever e-mails e os enviá-los, etc."

Por conta da políticas diferenciadas de cada corretor de dados, Abine disse que é difícil manter o controle sobre tudo o que é coletado online sobre o usuário.
"Os diferentes procedimentos de cada companhia faz com que seja quase impossível gerenciar efetivamente as suas informações pessoas e corrigir ou removê-las dos bancos de dados", acrescentou Sarah. "Às vezes, os registros podem até mesmo reaparecer, deixando a pessoa sem outra escolha que vão iniciar o processo todo novamente, e alguns sites não oferecem aos consumidores individuais uma maneira de retirar ou contestar esse registro. Mas privacidade deve ser algo simples - e os consumidores que a querem devem ser capazes de consegui-la."
A companhia também afirma em sua política de privacidade que todas as informações dadas pelo usuário ao aplicativo não serão redistribuídas ou vendidas a terceiros.
O DeleteMe está disponível para download na App Store.



botaoDeleteM_435listaDeleteM_435


Imagem da lista de dados encontrados em sites na web (à esq.) e opção para excluir dados (à dir.)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Palavra de Especialista com Delegado Higor Jorge

Hoje, às 19:00, no programa de estreia "Palavra de Especialista", o diretor da ADPESP Rodrigo Lacordia recebe o delegado de Polícia, professor e palestrante Dr. Higor Vinícius Nogueira Jorge para um bate-papo sobre crimes cibernéticos, além de dicas e informações sobre direito e tecnologia. Assistam a entrevista em: https://youtu.be/p9FF98siWvg e também no Spotify.

Obra com comentários sobre mais de 70 leis criminais tem valor promocional para associados ADPESP - Associação dos Delegados de Polícia do Estado de São Paulo

  A editora Juspodivm lançou a obra “Legislação Criminal Especial Comentada” elaborada por 24 delegados de polícia de todo o país, sendo 14 do estado de São Paulo. A coordenação é dos delegados Higor Vinicius Nogueira Jorge, de São Paulo, Joaquim Leitão Júnior, de Mato Grosso e William Garcez, do Rio Grande do Sul. O livro oferece comentários doutrinários e jurisprudenciais de forma objetiva, sobre mais de 70 leis criminais. Associados ADPESP podem comprar o lançamento com valor especial,  direto no site da editora Juspodivm. O cupom é válido até as 23:59 do dia 21 de maio . Para aproveitar o desconto, utilize o cupom ADPESP. A obra tem chamado a atenção do meio jurídico, sendo escrita pelos seguintes delegados e delegadas de polícia: – Antônio Flávio Rocha Freire – Bruno Fontenele Cabral – Everson Aparecido Contelli – Gabriela Madrid Aquino – Higor Vinicius Nogueira Jorge – Jakelline Costa Barros dos Santos – Joaquim Leitão Júnior – João Paulo Firpo Fontes – Joerberth Pinto Nunes – Kl

Lançamento de livros coordenados por Higor Jorge em São Paulo - Matéria do site da ADPESP

O restaurante da sede será palco do lançamento de três obras: “Manual de Educação Digital, cibercidadania e prevenção de crimes cibernéticos”, “Direito Penal sob a perspectiva da investigação criminal tecnológica”, do delegado Higor Jorge, e “Manual de investigação digital”, do delegado Guilherme Caselli. O evento acontece nesta quinta-feira, 12, de 12h às 15h, com a presença dos autores. Os associados ADPESP poderão adquirir as obras lançadas com valor promocional. Outros títulos Além das obras lançadas, também estarão disponíveis aos associados com valor promocional os livros “Manual de Interceptação Telefônica e Telemática”; “Fake News e Eleições – O Guia Definitivo”; “Enfrentamento da Corrupção e Investigação Criminal Tecnológica”; “Tratado de Investigação Criminal Tecnológica” e “Legislação Criminal Especial Comentada” . AUTORES: ANTÔNIO CARLOS CÂNDIDO ARAÚJO BRENO EDUARDO CAMPOS ALVES CAIO NOGUEIRA DOMINGUES DA FONSECA DÁRIO TACIANO DE FREITAS JÚNIOR DENIZE DOS SANTOS