Pular para o conteúdo principal

Cibercriminosos criam 57 mil sites fraudulentos por semana

Por Redação da Computerworld

Publicada em 26 de janeiro de 2011 às 14h08
Cerca de 375 diferentes nomes de marcas e organizações são usados pelos hackers para atrair usuários e roubar senhas.
Estudo realizado pelo PandaLabs, laboratório anti-malware da Panda Security, revela que os cibercriminosos criam por semana mais de 57 mil endereços falsos de sites para infectar ou roubar dados de usuários desprevenidos. A estratégia deles para o ataque é o uso de mais de 375 marcas de empresas e nomes de instituições reconhecidas mundialmente – dessa forma são mantidos no topo da lista dos principais motores de busca.

Através do emprego da técnica “BlackHat SEO” (usada para influenciar mecanismos de busca na web), os links para estes sites fraudulentos aparecem sempre nas primeiras posições quando os usuários procuram pelas marcas de sua preferência. Em certos casos, o falso site tem aparência idêntica à do original (é o caso de certos sites bancários), o que facilita o roubo de logins e senhas do usuário.
O estudo listou os tipos de empresas mais utilizadas pelos cibercriminosos como base para sites fraudulentos. Veja o ranking:
1.    Bancos – 65%
2.    Lojas Online – 26,81%
3.    Fundos de Investimentos e Corretoras – 2,30%
4.    Organizações Governamentais – 1,92%
5.    Plataformas de Pagamento – 1,80%
6.    ISPs – 1,31%
7.    ONGs – 0,45%
8.    Empresas de Telefonia – 0,25%
9.    Logísticas – 0,24%
10.  Jogos – 0,10%
11.  Software – 0,10%
De acordo com Ricardo Bachert, diretor geral de consumo da Panda Security Brasil, os usuários precisam ficar atentos ao utilizar mecanismos de pesquisa para não serem atraídos a estas armadilhas virtuais. “Sabemos que os sites de busca estão se esforçando para melhorar a situação, ao alterar seus algoritmos de indexação, mas eles não conseguirão fugir da avalanche dos novos endereços que são criados todos os dias”, completou.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Palavra de Especialista com Delegado Higor Jorge

Hoje, às 19:00, no programa de estreia "Palavra de Especialista", o diretor da ADPESP Rodrigo Lacordia recebe o delegado de Polícia, professor e palestrante Dr. Higor Vinícius Nogueira Jorge para um bate-papo sobre crimes cibernéticos, além de dicas e informações sobre direito e tecnologia. Assistam a entrevista em: https://youtu.be/p9FF98siWvg e também no Spotify.

Obra com comentários sobre mais de 70 leis criminais tem valor promocional para associados ADPESP - Associação dos Delegados de Polícia do Estado de São Paulo

  A editora Juspodivm lançou a obra “Legislação Criminal Especial Comentada” elaborada por 24 delegados de polícia de todo o país, sendo 14 do estado de São Paulo. A coordenação é dos delegados Higor Vinicius Nogueira Jorge, de São Paulo, Joaquim Leitão Júnior, de Mato Grosso e William Garcez, do Rio Grande do Sul. O livro oferece comentários doutrinários e jurisprudenciais de forma objetiva, sobre mais de 70 leis criminais. Associados ADPESP podem comprar o lançamento com valor especial,  direto no site da editora Juspodivm. O cupom é válido até as 23:59 do dia 21 de maio . Para aproveitar o desconto, utilize o cupom ADPESP. A obra tem chamado a atenção do meio jurídico, sendo escrita pelos seguintes delegados e delegadas de polícia: – Antônio Flávio Rocha Freire – Bruno Fontenele Cabral – Everson Aparecido Contelli – Gabriela Madrid Aquino – Higor Vinicius Nogueira Jorge – Jakelline Costa Barros dos Santos – Joaquim Leitão Júnior – João Paulo Firpo Fontes – Joerberth Pinto Nunes – Kl

Publicado o livro “Direito Penal sob a perspectiva da investigação criminal tecnológica”

POR QUE COMPRAR O LIVRO: DIREITO PENAL SOB A PERSPECTIVA DA INVESTIGAÇÃO CRIMINAL TECNOLÓGICA? O mundo fenomênico sofre, constantemente, influência da tecnologia em sua evolução e no seu aperfeiçoamento. Logo, esse fenômeno repercute, também, no âmbito criminal, visto que os delitos atuais contam com um componente que evolui a cada minuto, qual seja, o tecnológico (informático, inclusive). Assim, os conceitos de vestígio e o de corpo de delito ampliaram-se. Tal fato exige dos investigadores preparação e atualização constantes, visto que o criminoso, no atual estágio, pode voltar ao local do crime até mesmo virtualmente para prejudicar a obtenção de sinais que, em geral, não são mais observáveis de plano ou percebidos materialmente, no sentido tradicional. Trata-se de um desafio e a forma de enfrentá-lo tem na capacitação o suporte necessário. Para tanto, a presente obra, coordenada pelo jovem e competente Delegado de Polícia Higor Vinicius Nogueira Jorge, viabiliza a obte