Pular para o conteúdo principal

Clonagem de cartões de crédito – Jornal Notícia Popular


Segundo o delegado, pequenos cuidados podem livrar o indivíduo de problemas maiores.
O avanço da tecnologia tem facilitado, cada vez mais, a vida das pessoas. Porém, como tudo tem seus prós e contras, muitas pessoas usam a tecnologia para a prática de crimes, um exemplo disso são os crimes cibernéticos, visto que o criminoso se mantém “protegido” atrás da tela de um computador e age de forma minuciosa, muitas vezes difícil de ser descoberto.
A clonagem de cartões de créditos tem sido um dos crimes mais evidentes nos últimos tempos, por isso o delegado de polícia Higor Vinicius Nogueira Jorge, que recentemente publicou um livro sobre a investigação dos crimes relacionados à tecnologia e à utilização dos dispositivos eletrônicos com segurança, falou um pouco sobre o assunto e fez um alerta sobre o perigo desse crime bastante praticado.
“Os cartões de crédito representam um importante recurso às pessoas que realizam transações bancárias, mas também podem proporcionar diversos prejuízos para as pessoas que fazem uso dele. Por isso, deve-se tomar muito cuidado com a utilização de cartão de crédito e, caso ele seja subtraído ou extraviado, é muito importante comunicar, imediatamente, a instituição bancária e também, caso existir crime a ser apurado, narrar o fato em uma Delegacia de Polícia para que a mesma promova a investigação criminal”, explicou.
Segundo o delegado, pequenos cuidados podem livrar o indivíduo de problemas maiores. Ao utilizar o cartão, a pessoa deve estar atenta e não perder o contato visual do mesmo, e ter cuidado ao digitar a senha para que outra pessoa não visualize os número digitados.
“Outro risco que o usuário de cartão de crédito é submetido diz respeito as compras em lojas de comércio eletrônico. Por isso deve-se evitar realizar compras em sites que não sejam confiáveis, que sejam desconhecidos ou que não tenham uma reputação positiva em sites de reclamações. Além disso, o dispositivo de informática utilizado deve ser seguro, ou seja, é importante que não exista nenhum arquivo malicioso instalado no computador”, alertou Dr. Higor.
Ele também explicou que “o cartão pode ser danificado se for exposto a um campo magnético ou ao calor. Ambos prejudicam os registros da tarja magnética do cartão, impedindo a leitura pelos dispositivos que possuem essa finalidade”.
Segundo a Federação Brasileira de Bancos (Febran), se o cartão, ao ser usado, ficar retido no caixa eletrônico é necessário clicar na tecla “cancelar” ou “anular”, bem como comunicar o banco sobre o ocorrido, tendo em vista que existem criminosos que instalam um equipamento para reter o cartão. Em alguns casos, criminosos danificam os telefones que ficam próximos aos caixas eletrônicos e também podem surgir pessoas desconhecidas se oferecendo para ajudar, mas que na verdade são criminosos.
O delegado de polícia alertou que “caso a vítima perceba que há algum valor indevido na fatura do cartão de crédito é também necessário apresentar no banco uma carta de contestação para evitar que seja realizada a cobrança indevida”.
“Reclame Aqui”
É um site confiável, em que consumidores fazem suas reclamações. Antes de comprar algo pela internet ou através de dispositivo móvel, é importante avaliar se não há reclamações do referido comércio eletrônico

Aline Amaral – Jornal Notícia Popular

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Palavra de Especialista com Delegado Higor Jorge

Hoje, às 19:00, no programa de estreia "Palavra de Especialista", o diretor da ADPESP Rodrigo Lacordia recebe o delegado de Polícia, professor e palestrante Dr. Higor Vinícius Nogueira Jorge para um bate-papo sobre crimes cibernéticos, além de dicas e informações sobre direito e tecnologia. Assistam a entrevista em: https://youtu.be/p9FF98siWvg e também no Spotify.

Obra com comentários sobre mais de 70 leis criminais tem valor promocional para associados ADPESP - Associação dos Delegados de Polícia do Estado de São Paulo

  A editora Juspodivm lançou a obra “Legislação Criminal Especial Comentada” elaborada por 24 delegados de polícia de todo o país, sendo 14 do estado de São Paulo. A coordenação é dos delegados Higor Vinicius Nogueira Jorge, de São Paulo, Joaquim Leitão Júnior, de Mato Grosso e William Garcez, do Rio Grande do Sul. O livro oferece comentários doutrinários e jurisprudenciais de forma objetiva, sobre mais de 70 leis criminais. Associados ADPESP podem comprar o lançamento com valor especial,  direto no site da editora Juspodivm. O cupom é válido até as 23:59 do dia 21 de maio . Para aproveitar o desconto, utilize o cupom ADPESP. A obra tem chamado a atenção do meio jurídico, sendo escrita pelos seguintes delegados e delegadas de polícia: – Antônio Flávio Rocha Freire – Bruno Fontenele Cabral – Everson Aparecido Contelli – Gabriela Madrid Aquino – Higor Vinicius Nogueira Jorge – Jakelline Costa Barros dos Santos – Joaquim Leitão Júnior – João Paulo Firpo Fontes – Joerberth Pinto Nunes – Kl

Publicado o livro “Direito Penal sob a perspectiva da investigação criminal tecnológica”

POR QUE COMPRAR O LIVRO: DIREITO PENAL SOB A PERSPECTIVA DA INVESTIGAÇÃO CRIMINAL TECNOLÓGICA? O mundo fenomênico sofre, constantemente, influência da tecnologia em sua evolução e no seu aperfeiçoamento. Logo, esse fenômeno repercute, também, no âmbito criminal, visto que os delitos atuais contam com um componente que evolui a cada minuto, qual seja, o tecnológico (informático, inclusive). Assim, os conceitos de vestígio e o de corpo de delito ampliaram-se. Tal fato exige dos investigadores preparação e atualização constantes, visto que o criminoso, no atual estágio, pode voltar ao local do crime até mesmo virtualmente para prejudicar a obtenção de sinais que, em geral, não são mais observáveis de plano ou percebidos materialmente, no sentido tradicional. Trata-se de um desafio e a forma de enfrentá-lo tem na capacitação o suporte necessário. Para tanto, a presente obra, coordenada pelo jovem e competente Delegado de Polícia Higor Vinicius Nogueira Jorge, viabiliza a obte